Anúncio:

A denúncia protocolada nesta quarta-feira (24), junto ao Tribunal Penal Internacional, considera as políticas restritivas de lockdown como Crimes contra a Humanidade. A explosiva denúncia foi feita pelo magistrado italiano Angelo Giorgianni, secretário-geral da Organização Mundial pela Vida (OMV), entidade criada em 2020 para julgar crimes cometidos na pandemia.

Um dos trechos da denúncia afirma:

Anúncio:

«O lockdown e todas as medidas conexas – estas últimas se adotadas por períodos de tempo prolongados e indefinidos, muito para além da fase de emergência sanitária, de modo a correr o risco de distorcer a própria essência das sociedades, e assim é – constituem um crime contra a humanidade como constituem crimes de prisão, tortura e são atos que causam grande sofrimento à saúde mental e física (artigo 7 do Estatuto de Roma) ».

A OMV ou WLO é uma nova organização internacional de serviço voluntário e cultural nascida na esteira da associação italiana The Eretic, fundada por Angelo Giorgianni, juntamente com o legista napolitano Pasquale Bacco, para contrabalançar o poder excessivo da Organização Mundial de Saúde, agora firmemente controlada por o magnata Bill Gates e pela China.

A denúncia ao Tribunal Criminal Internacional é um livro negro das tragédias causadas pela pandemia de Covid-19, uma coleção estatística precisa, baseada em fontes fidedignas internacionais, sobre os horrores sociais provocados por imposições dos governos nacionais em todo o mundo.

O relatório analisa com particular atenção ao Governo italiano do ex-Primeiro-Ministro Giuseppe Conte, já que os estudos referem-se principalmente a estatísticas relativas ao período de sua gestão, embora o novo Primeiro-Ministro Mario Draghi tenha continuado na mesma perigosa ladeira, em conformidade com a desejada continuidade pelo Presidente da República Sergio Mattarella na sugestão de reconfirmação do Ministro da Saúde Roberto Speranza. Mas a denúncia também destaca as situações trágicas nos Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha.

A lista de tragédias causadas em decorrência das medidas que se justificaram na pandemia é imensa. Interrupção e renúncia aos cuidados de saúde por doenças graves, devastação da rede de relações familiares para idosos doentes e crianças desfavorecidas, perturbações mentais com consumo de álcool e drogas, perda de empregos, aumento de suicídios, privações juvenis com puberdade precoce e casos de automutilação, desnutrição infantil, maiores riscos de morbidade e mortalidade associados a estados de apatia e depressão. Estas são apenas algumas das consequências de lockdowns, máscaras obrigatórias (considerados pouco eficazes ​​por vários médicos), listados em 37 páginas de documentos completos com o nome e sobrenome dos cientistas e unidades de saúde que os detectaram.

Entre essas há também as opiniões de componentes técnicos da própria OMS que foram ignoradas, assim como aconteceu com o veneziano Francesco Zambon, convidado pelos dirigentes da mesma Organização de Saúde, a não revelar o conteúdo de seu dossiê sobre a omissão de atualizar o plano de pandemia de emergência italiana no qual o Ministério Público de Bérgamo está agora investigando por crimes de falsificação e epidemia culposa.

“De acordo com o especialista médico canadense, Dr. Ari Joffe, os danos causados ​​por medidas de bloqueio são pelo menos cinco a 10 vezes maiores do que os benefícios, já que uma população atormentada por desaceleração econômica, desemprego e solidão, corre o risco de mortalidade precoce, redução da expectativa de vida e doença crônica. Com o tempo, prevê-se que suicídio, depressão, transtorno pelo uso de álcool, traumas infantis por violência doméstica, mudanças no estado civil e isolamento social causem a perda de milhões de anos de vida”, lê-se nas primeiras linhas da denúncia assinada pelo magistrado Giorgianni.

GOVERNOS IGNORAM ESPECIALISTAS

Para entender o significado bombástico da denúncia, basta dizer que comparadas às 17 páginas da denúncia, são 20 de literatura científica e citação de textos publicados. Entre eles está o livro “Massacre de Estado”, escrito por Giorgianni com o Dr. Bacco que, junto com Alessandro Meluzzi, Giulio Tarro e muitos outros médicos, faz parte do Comitê Científico da Organização Mundial pela Vida (OIT).

«O Dr. David Nabarro, enviado especial da OMS para covid-19, disse o seguinte sobre os bloqueios em outubro:“ Nós, na Organização Mundial da Saúde, não defendemos os bloqueios como o principal meio de controle do vírus. (…) olha só o que aconteceu com a indústria do turismo … olha o que está acontecendo com os pequenos produtores. (…) parece que podemos ter uma duplicação da pobreza mundial no próximo ano. Podemos muito bem ter pelo menos o dobro da desnutrição infantil. (…) Esta é uma catástrofe global terrível e medonha ”».

É uma das sentenças da denúncia sobre a qual o promotor do Tribunal Penal Internacional de Haia foi chamado a investigar. Assim como essas opiniões estão sendo ignoradas, os governos estão até discutindo sobre estoques de vacinas como parte do projeto de imunização da Organização Mundial da Saúde, embora negócios colossais estejam se escondendo deles, já que o plano COVAX da OMS é administrado pela ONG Gavi Alliance. de Gates em óbvios conflitos de interesse: também porque é administrado por um ex-gerente da GSK, a multinacional farmacêutica que controla a Pfizer e é propriedade do fundador da Microsoft.

«Os danos colaterais que agora estão a ser causados ​​à população terão um impacto maior a curto e a longo prazo em todas as camadas da população do que o número de pessoas que agora estão a ser salvaguardadas da coroa. O isolamento social e os danos econômicos levaram a um aumento da depressão, ansiedade, suicídios, violência intrafamiliar e abuso infantil. Estudos têm mostrado que quanto mais compromissos sociais e emocionais as pessoas têm, mais resistentes elas são aos vírus. É muito mais provável que o isolamento e a quarentena tenham consequências fatais », lemos na denúncia que relata esta e outras passagens do livro Massacres de Estado de Giorgianni e Bacco.

«A taxa de mortalidade por infecção parece ser quase a mesma da influenza, mas nunca introduzimos essas medidas drásticas antes, quando tivemos pandemias de influenza. E não podemos viver com eles por muitos anos. O Banco Mundial acaba de estimar que a pandemia corona causou um aumento de cerca de 100 milhões de pessoas vivendo em extrema pobreza. Não é por causa do COVID-19. É por causa das medidas draconianas que introduzimos. Precisamos de uma estratégia melhor – relatou também a ação judicial – O preço brutal dessa política drástica é muito óbvio. Em meio às finanças públicas maltratadas, ao aumento do desemprego e à falência generalizada de empresas, setores inteiros da economia foram devastados. Durante toda essa longa emergência, o suposto antídoto muitas vezes foi mais prejudicial do que a própria doença. A realidade é que Covid representa pouco perigo para a grande maioria das pessoas com menos de 60 anos, mas toda a nossa sociedade foi derrubada por uma resposta exagerada. E as cicatrizes vão durar muitos anos ».