Aborteira acusa pró-vida Lila Rose de “terrorismo” por tweetar: “aborto é violência”

1
Anúncio:

Quando uma pessoa fala contra uma violência, está condenado esse ato e não incitando a violência, mas foi isso que a abortista Dra Leah Torres erroneamente afirmou depois que a fundadora da Live Action, Lila Rose twitou: “Aborto é violência” no início de janeiro de 2021. Torres chamou esta declaração de “terrorismo doméstico” e disse que estimularia outras pessoas a cometer crimes contra clínicas de aborto, pacientes e prestadores de “cuidados de saúde”. Conhece a frase acuse-os do que você faz, chame-os do que você é? 


Ela já declarou que acredita que não querer engravidar é uma “razão médica” legítima para o aborto, e recentemente disse que ninguém que se opõe à morte de crianças no útero deve se tornar um obstetra / ginecologista. “Eu não me importo se você tem religião. Não me importo se você tem problemas morais ”, disse ela . “Se você não pode cuidar do aborto, não vá para a ginecologia obstétrica – simplesmente não”. 

Anúncio:

Em seu site pessoal, em abril de 2013, Leah Torres disse mais:

“Durante um aborto no segundo trimestre, especificamente após 22 semanas, é uma prática geral realizar feticida (injeção de um medicamento letal na cavidade amniótica ou no coração fetal) para essencialmente para sacrificar o feto antes da dilatação e evacuação (D&E) procedimento. Portanto, não está vivo depois que o procedimento de aborto é iniciado. Esta é uma prática de rotina devido à Lei de Proibição do Aborto por Nascimento Parcial aprovada em 2003 e exige que os médicos realizem o procedimento invasivo de injeção intra-amniótica (colocando a mulher em risco de lesão e infecção) antes da D&E. Dito isso, para um aborto ser “malfeito” (que é um termo pouco profissional e impróprio para usar) e o “bebê nascer vivo” não vai acontecer”. 

Detalhe que as partes entre parêntesis falando sobre injeção letal e risco de lesão e infecção, são observações da própria abortista.

E ela disse mais: “Mesmo em casos de aborto no terceiro trimestre, o feto é sacrificado. Isso não é apenas devido à Lei de Proibição do Aborto por Nascimento Parcial, mas também é um remédio humano. Seria muito traumático para a mãe, para o pai (se presente) e para os cuidadores (médicos, enfermeiras, etc.) se durante a indução do aborto o bebê nascesse vivo e depois fosse deixado para morrer”.

Chega a ser incrível a dissonância cognitiva de Torres, pois é totalmente incoerente o que ela acredita ser o certo e o que ela na verdade faz! Para ela sacrificar um bebê viável não é um ato de violência, mas uma “opção” humanitária para evitar “traumas” aos pais caso o bebê nasça vivo, reforçando o pensamento para esse tipo de profissional (me recuso a chamar isso de medicina), de que o bebê nada mais é que lixo hospitalar. 

Se o nome Leah Torres lhe pareceu familiar, vou refrescar sua memória! 

Ela já afirmou no Twitter que os fetos “não conseguem gritar” porque ela corta os cordões primeiro. O contexto do tweet não deixa claro se ela se referia às cordas vocais ou ao cordão umbilical, mas ela afirma que se referia ao último.

Independentemente disso, qualquer interpretação que se escolha para essa declaração, ela é horrível, desumana e violenta. 
Como o aborto não é um ato violento se o propósito é a morte de um ser humano completamente indefeso? Os aborteiros não só falam, mas praticam, eles sabem que o aborto é um ato de violência. A abortista Lisa Harris disse em uma convenção da National Abortion Federation que os ativistas deveriam reconhecer que as fotos de crianças abortadas são reais e que o aborto é violência:

“Na verdade, acho que devemos negar menos a realidade dessas imagens. Mais sobre como reconhecer, isso sim, isso é meio que verdade. … Podemos até concordar que há violência aqui, pergunte-me por que venho trabalhar todos os dias. Vamos apenas dar a todos eles, a violência, é uma pessoa, matando – vamos apenas dar a eles tudo isso.”

O juiz da Suprema Corte, Anthony Kennedy, descreveu um procedimento de D&E, citando o depoimento do aborteiro tardio Dr. Leroy Carhart, que comete esses abortos regularmente:

“O feto, em muitos casos, morre da mesma forma que um adulto ou uma criança: sangra até a morte ao ser arrancado membro por membro. O feto pode estar vivo no início do processo de desmembramento e pode sobreviver por um tempo enquanto seus membros são arrancados”. 

Só a Planned Parenthood acaba com a vida de 947 bebês inocentes que ainda não nasceram todos os dias. Isso é violência! 
“A Live Action e todos os principais grupos pró-vida são firmemente contra a violência”, disse Lila Rose. “Não é nenhuma surpresa que a indústria que mente sobre o desenvolvimento humano e lucra milhões com o derramamento de sangue de crianças inocentes também minta sobre o movimento pró-vida e faça uma tentativa ridícula de nos silenciar.” https://www.liveaction.org/news/abortionist-live-action-lila-rose-terrorism-abortion-violence/

Só é a favor do aborto quem não entende a sua realidade ou quem ganha dinheiro com esse crime! E quem ganha dinheiro não se importa se é um bebê inocente!

Leah Torres no ano passado teve sua licença médica temporariamente suspensa no Alabama apenas um mês depois de anunciar que seria a nova diretora médica do West Alabama Women’s Center, clínica de abortos que está enfrentando investigação criminal pela morte de uma paciente. O Conselho de Examinadores Médicos do Alabama declarou que “Leah N. Torres, pode constituir um perigo imediato para seus pacientes e / ou para o público.”, de acordo com o Live Action.