Mortos-vivos do Araguaia e a desmoralização da Comissão da Verdade (com errata sobre uso de imagem)

18
Anúncio:

Errata: a foto que ilustrava o presente artigo foi indevidamente identificada como cena da guerrilha do Araguaia. Na verdade, a foto foi tirada em 1986 e lançada no livro TRABALHADORES em 1993 e retrata a mudança nas relações de produção do trabalho manual. As imagens mostram a vida de 50 mil homens que buscam ouro na região de Serra Pelada. A foto antes utilizada foi um registro do fotógrafo Sebastião Salgado e compôs o livro TRABALHADORES – SEBASTIÃO SALGADO, 1993.

Identificação correta da foto:

Anúncio:
Foto: Serra Pelada. Salgado, Sebastião. Trabalhadores 1993. Editora Companhia das Letras.

Errata registrada em 29.08.2019.


Sete membros da Guerrilha do Araguaia teriam sobrevivido, mas não para contar a história. Permanecem em silêncio para manter a história ao lado dos grupos interessados politicamente e em acumular indenizações. Isso é o que concluímos pelo estudo do historiador Hugo Studart, que pesquisou o assunto e chegou a revelações que põe em xeque o discurso da esquerda sobre a guerrilha e a própria Comissão da Verdade, criada para fazer propaganda dos guerrilheiros e lhes conceder dinheiro do estado.

O livro Borboletas e Lobisomens, de Hugo Studart, traz a história dos guerrilheiros do Araguaia que sobreviveram mas foram tidos como mortos por mais de 40 anos. A história desmoraliza a Comissão da Verdade, criada para investigar e conceder indenizações aos familiares de mortos na guerrilha ocorrida em 1973.

Segundo o livro de Studart, sete guerrilheiros teriam sobrevivido após acordo de proteção a testemunhas com o governo militar. A guerrilha do Araguaia, iniciada pelo PCdoB com objetivo de dominar uma área para resistir ao regime militar, foi contra-atacada com força pelo governo do presidente Medici, que deu ordem para liquidar totalmente os guerrilheiros e não deixar testemunhas. Acontece que, entre os guerrilheiros do PCdoB estava Hélio Luiz Navarro de Magalhães (codinome Edinho), filho de Hélio Gérson de Magalhães, oficial da Marinha e capitão de mar e guerra, e sobrinho do comandante-em-chefe da Esquadra Brasileira, segundo nome da hierarquia da Marinha, Gualter Meneses de Magalhães, que deu ordem para capturar o sobrinho vivo.

Hélio foi capturado pelos soldados junto do comparsa René Silveira e ambos foram levados. A situação era de dúvida entre os oficiais: já que matá-lo estava fora de questão, libertá-lo simplesmente também não era uma opção, já que seria assassinado pelo próprio partido tão logo o encontrassem. Foi então feito um acordo. Quanto aos outros guerrilheiros, Hélio conseguiu interceder por suas vidas e mantê-los vivos. Foi criada uma falsa história, uma falsa eliminação, para proteger os guerrilheiros de seus próprios comparsas.

Os nomes dos chamados mortos-vivos do Araguaia são: Hélio Navarro de Magalhães (Edinho), Luiz Renê Silveira Silva (Duda), Maria Célia Correia (Rosa), Antônio de Pádua Costa (Piauí), Luiza Augusta Garlipe (Tuca), Tobias Pereira Júnior (Josias) e Marcos José de Lima (Ari Armeiro).

“Tenho convicção de que esses são os sete mortos-vivos”, disse o historiador em entrevista recente.

O livro registra uma aparição de Hélio em 2001, quando se tornou executivo de uma rede de supermercados e, também naquele ano, apresentou-se na Receita Federal com sua verdadeira identidade para regularizar o CPF, com objetivo de liberar para a sua mãe o inventário de seu pai, abrindo mão da herança e desaparecendo novamente.

Segundo informou a revista Época, a irmã de René Silveira, Elisabeth Silveira, que pertence ao grupo Tortura Nunca Mais e é beneficiária de indenização, contesta veementemente a versão do historiador de que seu irmão estaria no mundo dos vivos com outra identidade.

A história completa dos “mortos-vivos” que acabaram colaborando com os militares na Guerrilha do Araguaia pode ser lida no site do autor

 

 

Inscreva-se em nossa Newsletter e receba novidades por e-mail.

 

18
Deixe um comentário

avatar
8000
18 Tópicos de comentários
0 Respostas em tópicos
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Comentário mais polêmico
5 Autores dos comentários
evandro carlosRobertoLuiz Henrique SantosRev.auricimarHelio Autores de comentários recentes
  Notifique-me  
Notificar de
Helio
Visitante
Helio

Condutas típicas de comunistas…

Rev.auricimar
Visitante
Rev.auricimar

Infelizmente a esquerda no Brasil como em tantas outras partes, sempre trabalha para o mal do povo apresentando os fantasmas supostamente existentes para promover medo e camuflar a verdade.

Luiz Henrique Santos
Visitante
Luiz Henrique Santos

Nessa história dessa tal comissão da verdade, sempre ouve algo de
tendencioso de coisas ensaiadas,confesso que muito coisa dita não condiz com o que realmente aconteceu,ainda tem muito caroço em baixo desse angu.

Roberto
Visitante
Roberto

Sempre assim… vagabundos comunistas… não tem MORAL.

Nem tente explicar o que é isso a eles, pois eles não têm sentimentos elevados e são incapazes de entender o que é MORAL.

Para eles, estuprar crianças, assassinar, roubar, vagabundear, desrespeitar, ou FINGIREM-SE DE SETE MORTOS VIVOS para atingirem seus objetivos, NÃO LHES FARÁ DIFERENÇA, pois não têm essa capacidade MORAL intrínseca dos seres humanos.

O IMORAL Lênin dizia aos comunistas: “- Eles (nós) têm moral, mas nós não temos. Por isso venceremos de qualquer maneira, pois fazemos qualquer coisa para atingirmos nosso objetivos… qualquer coisa!”.

evandro carlos
Visitante
evandro carlos

Só pra constar esta foto ai da matéria não tem nada ver com a Guerrilha do Araguaia, ela foi tirada numa revolta dentro do Garimpo de Serra Pelada.