Quando começa a vida humana? A ciência responde

6
Anúncio:

O início da vida

É comum ouvirmos dizer que o embrião não é uma pessoa, mas que é apenas um “produto da concepção”, “óvulo fertilizado”, “zigoto”, etc. Isto porque algumas pessoas dizem não haver um consenso sobre quando a vida humana inicia e que, por isso, esse “produto da concepção” é visto simplesmente tal qual o termo, e não como uma nova vida humana.

Anúncio:

Quando a vida humana começa?

A ciência responde claramente essa questão ao dizer que a vida humana começa na concepção. Mas esta resposta ainda não é capaz de convencer muita gente, inclusive pesquisadores, que continuam usando argumentos do tipo “aglomerado de células” para justificar que, dependendo do estágio da gravidez, o aborto deveria ser permitido.

A princípio, o termo “aglomerado de células” parece sugerir que o embrião não tem vida própria, não tem controle próprio e autonomia, não tem viabilidade, agindo como um “parasita” que não sobreviveria fora do útero.

Um estudo feito por Shahbazi e cols (2016), que foi publicado em uma das revistas científicas mais renomadas do mundo (grupo Nature), demonstrou que esse argumento é totalmente errôneo. Neste estudo, os pesquisadores utilizaram um aparato experimental que permitiu avaliar o desenvolvimento de embriões humanos, incluindo a transição da fase pré para a fase pós-implantação, sem utilizar qualquer tecido materno.

Para entender os processos que ocorrem antes e após a implantação do embrião no útero materno, os pesquisadores colocaram os embriões humanos em incubadoras contendo apenas nutrientes necessários para o seu desenvolvimento. Com uma série de experimentos, eles demonstraram que o embrião possui uma capacidade de organização autônoma, independente da presença do útero materno, que nunca tinha sido demonstrada antes pela ciência. Estas células se organizam e se desenvolvem de forma autônoma, mesmo não estando no útero e mesmo não passando pelo processo de implantação.

Sabemos que o óvulo fertilizado é um organismo unicelular capaz de originar todas as células, tecidos e órgãos do corpo de uma pessoa. Durante o período embrionário, a divisão celular se inicia formando a mórula, que atravessa a trompa de falópio e chega ao útero, implantando-se ali por volta do 7º dia. A implantação do embrião no útero é um processo crítico, pois é através dele que o embrião encontrará todos os nutrientes necessários para a sua sobrevivência e desenvolvimento.

Isso significa que, desde o primeiro estágio de sua formação (fertilização ou concepção), esse organismo vivo está “programado” para viver e “sabe” o que precisa fazer. Ele “sabe” que deve se dividir e atravessar a trompa de falópio até chegar ao útero e tem suas próprias ferramentas para fazer tudo sozinho. Esse organismo unicelular é capaz de gerar seu próprio corpo, é capaz de gerar seu cérebro e sua própria inteligência. Ele é capaz de se desenvolver como pessoa desde o “marco zero” de sua vida. De alguma forma ele sabe como fazer tudo isso, e o faz de maneira independente.

O embrião precisa ser implantado no útero porque precisa de nutrientes para continuar o seu desenvolvimento e sobrevivência, e ali, no endométrio, ele encontra esses nutrientes. Podemos fazer uma comparação bastante simples: uma criança de um ano de idade também não é capaz de se alimentar sozinha, mas precisa receber de alguém os nutrientes necessários para sobreviver e continuar se desenvolvendo. Nos experimentos realizados no referido estudo, os embriões estavam em incubadoras que acondicionavam nutrientes e, assim, se desenvolveram mesmo não estando dentro de um útero, inclusive ultrapassando a janela temporal que caracteriza o processo de implantação no útero (é importante salientar que, por questões éticas, os experimentos foram interrompidos no 14º dia após a concepção).

Se os embriões foram capazes de se desenvolver apenas com nutrientes disponíveis na incubadora e na ausência do processo de implantação no útero propriamente dito, isso demonstra a autonomia do organismo embrionário desde a sua concepção, e este fato desconstrói a ideia difundida por muitos de que a gravidez começa na implantação.

Essa informação, embora bastante inovadora, apenas confirma o que a embriologia diz há anos: que a vida humana começa na concepção. A demonstração de autonomia do embrião é uma evidência concreta de que o embrião não é um simples aglomerado de células, não é apenas um parasita, e não é uma extensão do corpo da mulher. Ele é um ser humano.

6
Deixe um comentário

avatar
4 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
6 Comment authors
온라인카지노바카라사이트Domingos Luiz Sabino AlvesBenedito Sergio GonçalvesGeovani Junior Recent comment authors
  Subscribe  
Notify of
Julia
Visitante
Julia

“(é importante salientar que, por questões éticas, os experimentos foram interrompidos no 14º dia após a concepção).” MATARAM OS EMBRIÕES??? Alguém denunciou este GENOCÍDIO? Ou pra pesquisa pode assassinar embriões?

Geovani Junior
Visitante
Geovani Junior

A pesquisa foi feita num país onde o aborto é permitido

Benedito Sergio Gonçalves
Visitante
Benedito Sergio Gonçalves

No meu ponto de vista, a interrupção da vida do ambriao foi correta por se tratar de uma questão ética.
Só Deus pode criar vida.
Nota:Se deixasse passar do 14o dia ai sou a favor da punição por desfeito ao prazo experimental.

Domingos Luiz Sabino Alves
Visitante
Domingos Luiz Sabino Alves

Penso eu, que por se tratar de uma pesquisa, não houve a solda do espírito reencarnante ao feto, o processo de reencarnação de um espírito tem toda uma assistência dos mentores responsáveis. O envolvimento dos futuros país é uma providência vital para que esse evento se conclua com sucesso.

바카라사이트
Visitante

This is elegant work!!

온라인카지노
Visitante

Immensely thought out! Designgasmed all over this!