Anúncio:

Durante sessão da CPI da Covid-19 na tarde desta terça-feira (25), o senador Eduardo Girão (PODE-CE) afirmou que muitos políticos e secretários de saúde que hoje negam à população o tratamento precoce fizeram uso de medicamentos como cloroquina, hidroxicloroquina e ivermectina quando foram infectados pela peste chinesa.

O senador fez a afirmação ao finalizar seus questionamentos à secretária do Ministério da Saúde, Mayara Pinheiro. Girão também questionou o conflito de interesse e o lobby da indústria farmacêutica contra medicamentos de tratamento precoce para favorecer aprovação de vacinas no Brasil.

Anúncio:

Vários senadores que foram infectados [pelo novo coronavírus] usaram esses medicamentos com recomendação médica. Inclusive teve senador médico indicando para senador médico. Os secretários de saúde de vários estados tomaram. E, essa verdade a gente tem que admitir. Por que negaram para a população enquanto eles tomaram? A história vai mostrar quem é criminoso”, ressaltou.

O senador ainda lembrou o caso do então coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, o infectologista David Uip, que em um primeiro momento não admitiu ter sido tratado com a hidroxicloroquina após ter sido infectado pelo novo coronavírus, mas ao ter a receita vazada na internet, confirmou a prescrição do medicamento.

Após polêmica, o governador de São Paulo, João Dória, tentou fazer uso político da situação afirmando ter sido o responsável por recomendar o uso da cloroquina ao Governo Federal.

Antes de se tornar porta-voz da Saúde do governo de São Paulo, o doutor David Uip recomendava continuar com a “vida normal” já que segundo o especialista, o vírus teria baixa letalidade, muitos dos infectados seriam assintomáticos e seriam preciso poucos leitos de UTI.

No último dia 20, o senador Marcos Rogério (DEM-RO) exibiu um vídeo na CPI onde os governadores João Dória (São Paulo), Wellington Dias (Piauí), Flávio Dino (Maranhão), Helder Barbalho (Pará) e Renan Filho (Alagoas) defendiam o uso da cloroquina no combate ao vírus chinês e a autonomia médica ao receitar medicamentos off label (fora da bula).

A exibição do vídeo foi interrompida pelo alvoroço dos parlamentares que tentaram minimizar as falas dos governadores e acusar o presidente Bolsonaro de ter feito a mesma recomendação.

Veja o vídeo abaixo.