Anúncio:

Durante sessão da CPI da Covid-19, nesta quinta-feira (20), o senador Marcos Rogério (DEM-RO) exibiu um vídeo onde os governadores João Dória (São Paulo), Wellington Dias (Piauí), Flávio Dino (Maranhão), Helder Barbalho (Pará) e Renan Filho (Alagoas) defendiam o uso da cloroquina no combate ao vírus chinês e a autonomia médica ao receitar medicamentos off label (fora da bula).

“Eu não mostrei isso aqui para condenar governador. Mostrei isso aqui para escancarar a falta de bom senso e até de vergonha daqueles que tentam criminalizar o presidente ao mesmo tempo em que os seus govenadores fizeram a mesma coisa e fizeram de forma acertada”, ressaltou o senador.

Anúncio:

A exibição do vídeo foi interrompida pelo alvoroço dos parlamentares que tentaram minimizar as falas dos governadores e acusar o presidente Bolsonaro de ter feito a mesma recomendação.

“Olha a sanha vingadora se apresentando na CPI. O foco é o presidente. Quando fala dos estados a reação é absurda”, disse o senador.

Ao ver o filho recomendando cloroquina e defendendo a autonomia médica no vídeo, o relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), desferiu ataques a Bolsonaro e acusou o Presidente de tentar mudar a bula do medicamento por decreto. O senador Marcos Rogério lembrou que Renan já foi ministro da justiça e deveria “sentir vergonha de fazer uma afirmação dessa”.

“Quem decide se o paciente usa ou não cloroquina ou qualquer outro medicamento em Alagoas é o médico e a ciência”, afirmou o governador de Alagoas, Renan Filho no vídeo mostrado na CPI.

No Twitter, o senador Marcos Rogério disse que a exibição do vídeo “deixou bem clara a hipocrisia da oposição, que persegue o presidente Bolsonaro por apoiar a cloroquina, mas isenta os governadores que não só apoiam, mas compraram e distribuíram”.

Atacado pelos parlamentares, Marcos Rogério insinuou que os senadores da oposição estavam “fazendo teatro”, enquanto ele trazia “fatos e documentos à CPI”.

Confira o vídeo exibido na CPI.