Anúncio:

A embaixada de Israel na China criticou duramente o “antissemitismo flagrante” da televisão chinesa, em uma reportagem sobre o apoio de Washington ao Estado hebreu, informou o jornal israelense Haaretz.

Em um tweet, a embaixada de Israel disse “esperamos que os tempos das teorias de conspiração do ‘judeu controlando o mundo’ tenham acabado, infelizmente o anti-semitismo mostrou sua cara feia novamente.”

Anúncio:

Em um vídeo publicado no Twitter na terça-feira (18), o serviço anglófono da rede estatal de notícias CGTN, da China, destacou o “lobby poderoso” dos judeus nos Estados Unidos e afirmou que “os judeus dominam os setores financeiros, os meios de comunicação e a Internet” neste país.

Em resposta, a embaixada de Israel na China declarou ontem à noite estar “consternada com o flagrante antissemitismo expresso por um meio de comunicação oficial chinês”.

“As afirmações feitas no vídeo são racistas e perigosas e não deveriam ser usadas por um meio de comunicação que se preze”, continuou a embaixada, no Twitter. Os comentários da CGTN surgem em meio aos confrontos mais violentos entre Israel e palestinos em uma década.

De acordo com o Ministério da Saúde de Gaza, as incursões israelenses deixaram pelo menos 217 vítimas fatais palestinas desde 10 de maio. E, segundo a polícia de Israel, 12 israelenses foram mortos por foguetes palestinos.

Pequim criticou a “obstrução” dos Estados Unidos para que o Conselho de Segurança da ONU aprovasse uma declaração pedindo o fim das hostilidades.

“Devido à obstrução de um país, o Conselho de Segurança não foi capaz de falar a uma só voz”, lamentou o ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Yi, no domingo (16), pedindo a Washington “que assuma suas responsabilidades” nas Nações Unidas.