Anúncio:

O Centro para Controle e Prevenção de Doenças Contagiosas (CDC) reportou 12 novos casos de coágulos de sangue graves em pacientes vacinados com vacina da Johnson & Johnson.

O membro da força-tarefa contra covid-19, Tom Shimabukuro, afirmou em relatório publicado nesta quarta-feira, que foram registrados 28 casos de trombose e queda do número de plaquetas sanguíneas em pacientes vacinados. Os dados estão no site Vaccine Adverse Event Reporting System (VAERS), sistema americano para controle de adversidade causadas pela vacinação em massa.

Anúncio:

Dos 28 pacientes hospitalizados na UTI, três morreram e outros 19 foram liberados, afirmou o médico. No dia 13 de abril, tanto o CDC quanto o Food and Drug Administration (FDA), órgão governamental similar a ANVISA no Brasil, recomendaram a suspensão de vacinações da Johnson & Johnson, especialmente em mulheres grávidas, pois diversos casos adversos surgiram um mês após mulheres grávidas terem se vacinado.

Ambas as vacinas são produzidas com tecnologia adenovírus, que pode causar o resfriado comum. Os vírus modificados são usados ​​para transportar informações ao DNA do vacinado, fazendo o corpo produzir proteínas específicas do coronavírus, preparando o sistema imunológico para a produção de anticorpos que lutam contra o coronavírus real.

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitiu uma nota recomendando a suspensão imediata das vacinações com o produto da Astra Zeneca, após a morte de uma gestante de 35 anos e seu bebê de 6 meses, ocorrida após a aplicação da vacina.

Após a nota da Anvisa, o governo de Santa Catarina interrompeu qualquer vacinação de mulheres grávidas no Estado, após o mesmo caso relatado. Segundo dados do Google, até o dia de hoje, 48.2 milhões de brasileiros foram vacinados e tanto o Governo Federal quanto veículos de grandes grupos de comunicação seguem ignorando os riscos da vacina em massa, insistindo na afirmação, sem base científica, de que não existe tratamento para Covid-19, o que justificaria a vacinação em massa.

Fonte: The Epoch Times