Anúncio:

Uma professora da rede municipal de Itajaí (SC), que defendia greves contra volta às aulas para conter contágio do coronavírus, publicou em suas redes sociais uma foto com um grupo de amigas, sem máscaras ou distanciamento social, curtindo férias em praia do Nordeste. As profissionais encontram-se de recesso antecipado pela prefeitura para conter o avanço da covid-19 no município. A foto provocou revolta em pais que enfrentam dificuldades por conta do fechamento de creches e escolas.

A denúncia foi publicada pelo jornal local Diarinho, junto da crítica feita por um pai que encontra dificuldades em conciliar a perda de um ano letivo de seus filhos com a rotina doméstica. Ele desabafa: “quer dizer que lá não tem covid? Na foto tem várias professoras. Aí pararam as creches um mês para que?” O mesmo pai foi quem enviou, junto das fotos no nordeste, imagens de publicações da professora manifestado apoio à greve pela paralisação das aulas.

Anúncio:

“Salário garantido, tudo certo para eles”, afirmou o pagador de impostos, referindo-se aos funcionários públicos que defendem lockdown e outras restrições. A Secretaria de Educação do município afirmou que investigará o caso e adotará as medidas cabíveis.

Sindicatos e outras instituições representantes de classes do funcionalismo público desde o começo da pandemia apresentam-se como militantes do lockdown e, em diversas ocasiões, uniram-se à esquerda radical para trancar a votação do auxílio emergencial, já que uma das contrapartidas do Governo Federal era o congelamento de seus salários.