Para Google, “empresa liderada por mulheres” é critério para mecanismo de buscas

0
Credits: Screen grab, YouTube/ColdFusion.
Anúncio:

O #BigTech monopolista dos mecanismos de busca e mídia programática, Google, adicionou mais um critério ideológico para mapear empresas e lista-las nos resultados de busca. Trata-se do critério [empresa que] “se identifica como administrado por mulheres”.

O sistema Google sugere a inclusão desse critério para melhor descrever empresas nos ranking de busca e na página “Saiba mais” sobre o recurso, a Google explica que tais “atributos” são importantes para “se destacar on-line”. O buscador não deixa claro se empresas que marcarem o atributo terão vantagens no ranking em relação a empresas sem o atributo ou “não administrada por mulheres”.

Anúncio:

Por exemplo, é possível informar se ela tem mesas ao ar livre e Wi-Fi ou se é liderada por mulheres. Adicione atributos relevantes e precisos ao Perfil da sua empresa para se destacar on-line“, explica o site da Google.

Os primeiros atributos sugeridos incluem a questão das mulheres na gestão. Só depois que o Google lista atributos de acessibilidade, com foco em portadores de deficiência, seguidos de atributos de comodidades (ex.: wi-fi gratuito), saúde (medidas de combate à covid), meios de pagamento e outros.

Com vasto histórico de posições em apoio a determinadas ideologias e agendas, a gigante monopolista busca aplicar em seus poderosos mecanismos critérios de discriminação feministas.

Algumas perguntas são inevitáveis e ficam até o momento sem respostas:

I) Empresas que marquem tal critério indicando gestão por mulheres terão prioridade no ranking de buscas?

II) Para o Google, empresas não administradas por mulheres mereceriam ser preteridas nas buscas?

III) Ainda que tal critério não afete ranking das empresas, desejaria o Google sugerir aos internautas que discriminem empresas em razão do sexo de seus gestores?

Todas as hipóteses possíveis sugerem uma postura discriminatória por parte da bigtech, que aplica critérios a serem submetidos a milhões de empresas no mundo, mas que só fariam sentido dentro de ONGs feministas radicais. É neste contexto que a ideologia globalista penetra todos os âmbitos da vida rumo à ideologização completa da sociedade, onde a visão de mundo globalista sufoca qualquer pessoa isenta de adesão ideológica, cidadãos isolados e independentes de grandes grupos financeiros.

Tem crescido no Brasil, ainda timidamente, o uso do buscador DuckDuckGo, concorrente de alta qualidade do Google. O buscador DuckDuckGo possui aplicativos e Widgets (atalho diferenciado na tela) para celulares com Android e para Iphone. A DuckDuckGo alega ter como grande foco a privacidade dos usuários.