Anúncio:

O presidente Jair Bolsonaro diz estar esperando uma “sinalização da população” para agir, mesmo com seus apoiadores tendo sido presos e perseguidos pela mídia e Supremo Tribunal Federal e com a população reduzida à miséria devido o impacto de medidas restritivas de prefeitos e governadores impulsionados pela mídia.

Sem esperanças de trabalho, muitos pequenos empresários se tornaram pedintes e vagam pelas ruas das grandes capitais, enquanto seus antigos negócios permanecem com portas fechadas e lacradas por governos como o de João Dória, exemplo máximo de governador segundo os parâmetros dos meios de comunicação e seus especialistas consultados.

Anúncio:

Desde o início do mandato, apoiadores do presidente e do governo vêm sendo perseguidos de forma implacável, culminando na prisão de Sara Winter, Oswaldo Eustáquio e o autoexílio de Allan dos Santos, todos alvos da Polícia Federal após cumprimento de mandados provenientes de inquéritos do ministro Alexandre de Moraes. Mesmo assim, Bolsonaro diz aguardar um “sinal da população”. Jornalistas e blogueiros perseguidos já hesitam em defender o presidente, que pouco ou nada fez pela liberdade de expressão desde que foi eleito, exceto limitar o investimento governamental em meios de comunicação da grande imprensa, o que apenas os uniu todos em torno da causa anti-bolsonarista, ampliando a perseguição.

Os blogueiros, como são pejorativamente chamados pela imprensa, continuam sendo alvos de perseguições nas redes sociais, e até ataques cibernéticos em nome do “combate às fake news”. Ainda não ficou claro o que de fato Bolsonaro está esperando ou o que ele faria ou fará caso entenda que a sinalização foi dada. Miseráveis nas ruas e jornalistas calados por fact-checking de outro, caçados como presas fáceis através da própria polícia, com o apoio do centrão e até das Forças Armadas, supostamente obedientes ao presidente.

Contra desmandos do STF, o Clube Militar emite notas de repúdio, em apelos discretos.