Anúncio:

Por conter a “voz” do ex-presidente americano, Donald Trump, o Facebook censurou uma entrevista concedida por ele à sua nora, Lara Trump. A informação tornou-se pública após entrevista de Lara com a Fox News. Nela, a nora de Trump questionou: “como chegamos neste lugar onde um ex-presidente do Estados Unidos não pode ser visto?”.

A censura realizada pela empresa de Mark Zuckerberg fundamenta-se na “violação” das “regras e regulamentos” da plataforma de rede social pois “a voz do presidente Trump não é permitida […] incluindo novos posts com a imagem do presidente”, informou o Facebook através de email à família Trump. Além de deletar quaisquer posts com a presença de Donald Trump, as contas que compartilharem esse tipo de conteúdo serão “limitadas”, informou também a plataforma.

Anúncio:

“Este não é o país em que queremos viver, esse tipo de coisa acontece em países comunistas”, afirmou Lara Trump. A mensagem da plataforma, deduz Lara, é o desejo de apagar a imagem de Donald Trump, querem fazer com que as pessoas esqueçam dele. “Eles não querem que você o veja, o escute, olhe para frente, vá embora, cale-se e siga sua vida, esqueça que Donald Trump existe. Isto é assustador”, conclui Lara.

Após o resultado das eleições de 2020 e a invasão do Capitólio Americano por extremistas da esquerda, o Facebook, Twitter e outras plataformas que compõem o grupo “Big Tech” removeram os perfis de Donald Trump de suas plataformas, numa ação claramente coordenada. Medida criticada por vários líderes mundiais que, inclusive, fez levantar o debate sobre quão livre as empresas da Big Tech podem ser, tendo em vista que possuem o poder de censurar qualquer pessoa, ou grupo de pessoas, por quaisquer motivos que sejam.