Órgão de educação diz que matemática é racista e sua objetividade “um sinal de supremacia branca”

1
Witthaya Prasongsin/Getty Images
Anúncio:

O Departamento de Educação do Estado de Óregon, nos Estados Unidos, revelou um programa que visa desmantelar o “racismo intrínseco” em uma das mais conhecidas disciplinas do mundo, a matemática.

O material é voltado a professores do estado e alega que o foco “em encontrar a resposta certa é um símbolo da supremacia branca”, conforme apurou o Daily Wire.

Anúncio:

A rede de televisão Fox News também soube do caso e informou que o departamento “enviou um boletim informativo na semana passada que menciona um ‘Micro-curso Pathway to Math Equity’ que ocorreu em 21 de fevereiro.” O curso, de acordo com a Fox, é projetado para professores do ensino médio fazerem uso de um kit de ferramentas para “desmantelar o racismo na matemática.”

Entre as diversas críticas que o material faz à “matemática”, estão acusações de que essa ciência promove perfeccionismo, objetividade e individualismo, qualidades que são inerentemente associadas à “supremacia branca” e, portanto, “racistas”.

“A objetividade é descrita na apostila que acompanha o treinamento como a crença de que existe algo como ser objetivo ou neutro”, escreveu o Wire. E continuou: “o kit de ferramentas do programa também incentiva os professores a não se concentrarem em uma única resposta correta, mas ‘chegar a pelo menos duas respostas que possam resolver este problema…”

O diretor de comunicação do Departamento de Educação do Estado de Óregon, Marc Siegel, confirmou a existência do material e defendeu-o:

“O treinamento ajuda os educadores a aprender ferramentas essenciais para o engajamento, desenvolver estratégias para melhorar os resultados equitativos para alunos negros, latinos e multilíngues e a participar de comunidades de prática.”

A guerra contra “verdades objetivas” é fato recorrente na agenda “progressista”, que também nega qualquer objetividade na realidade sexual e de gênero das pessoas. Para a esquerda progressista, o “gênero” não é determinado por caracteres biológicos, mas pela simples escolha de cada um.