Anúncio:

Após a chegada das tão aguardadas vacinas, e já após a vitória garantida de Joe Biden para a presidência dos EUA, a OMS resolveu convenientemente dar ouvidos ao problema dos falsos positivos nos testes para Covid. A orientação pode reduzir percepção de casos da doença e simular uma efetividade das vacinações que já se iniciaram.

No dia 13 de janeiro de 2021, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou uma nova orientação sobre os testes PCR, mais usados ao longo de 2020, alertando para o risco de falsos positivos, o que já vinha sendo denunciado por médicos durante o ano passado. Segundo a OMS, quanto maior os ciclos do teste maior a probabilidade de um falso positivo. O número de ciclo indica a sensibilidade do teste, que com um número muito alto pode detectar o novo coronavírus a partir de baixa carga viral ou mesmo confundir com outros vírus.

Anúncio:

Depois de muitos alertas, inclusive alguns trabalho publicados no início do ano e divulgados por Estudos Nacionais, a OMS resolveu dar ouvidos ao problema justamente quando o mundo assiste notícias diárias sobre início de vacinação. Segundo o médico Alessandro Loiola, a simples mudança de 40 ciclos para 25 poderá reduzir a incidência do vírus em mais de 60%.

“Mude a quantidade de ciclos do PCR e veja a mágica acontecer”, disse o médico nas redes sociais.

A OMS nem mesmo disfarçou diante das polêmicas com o ex-presidente Donald Trump, que rompeu com a entidade: a orientação que pode reduzir a percepção da gravidade da pandemia ocorre logo após a vitória de Joe Biden, assumido apoiador da organização, que já declarou que não fará lockdown e prevê insumos milionários para “conter pandemia”.

A manipulação

O pneumologista Wagner Malheiros diz que o teste PCR nunca foi o ideal para diagnosticar a doença, justamente por ser um teste de captação que vai ampliando a busca por meio dos ciclos. O diagnóstico de Covid, para ele, deve ser o clínico, baseado em sintomas, ou radiológico (tomografia). Para o pneumologista, a mudança na sensibilidade do teste trará uma percepção de que o número de casos está caindo, o que será associado às vacinas.

“Eles não podem continuar usando o PCR depois de vacinar. Porque vai acabar mostrando que não está diminuindo nada. Por que? Porque tinha um monte de falso positivos!”, diz o médico, que critica a organização e a condução da pandemia.

“Este pessoal é canalha! Eles sabem o que estão fazendo. Desde o início eles sabiam o que estavam fazendo. Eles estão manipulando tudo! É uma coisa impressionante! Usaram o PCR para apavorar, para estimular o uso da vacina, agora vão usar o PCR retirando ele para justificar que a vacina está melhorando demais”, diz Malheiros.

“A manipulação é uma coisa tão escancarada, que as pessoas olham e acham inacreditável. Eles colocaram o bode no meio da sala e todo mundo fica fingindo que não está enxergando. É um absurdo por completo. A manipulação chegou ao nível do descaramento completo”, afirma. “E é bom nos prepararmos, porque acho que vamos viver uma década da ignorância. Essa vai ser a nossa triste sina nos próximos anos”.