#Rechecking: Biden defendeu, sim, que criança de menos de 10 anos possa decidir ser transgênero

1
Anúncio:

Como foi noticiado por Estudos Nacionais, no dia 18 de outubro, o candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, declarou, em um debate televisivo, que iria mudar a lei que restringe a chamada “mudança de gênero” e comprometeu-se a garantir esse direito a crianças de 10 anos. Ao contrário do que disse a Agência Lupa, o candidato se referia, sim, à possibilidade de “mudança de gênero” de crianças.

Biden se referiu à decisão de “tornar-se transgênero”, defendida por comunidades LGBT, inclusive para crianças de menos de 10 anos, tema da lei sobre a qual o candidato se referia. Biden foi claro ao afirmar que retiraria a proibição de mudança de sexo para menores.

Anúncio:

Joe Biden respondeu a uma mulher da plateia que lhe perguntou o que o candidato faria em relação aos direitos de “crianças trans”, uma vez que o filho dela era transgênero e que o atual presidente Donald Trump estava privando tais direitos de crianças que se identificam com o sexo diferente do biológico.

Biden disse:

A ideia de que uma criança de 8 ou 10 anos decide: ‘sabe, decidi que quero ser transgênero, é o que eu acho que gostaria de ser, isso [faria] minha vida muito mais fácil’… Deveria haver discriminação zerodisse Biden em resposta. “E o que está acontecendo é que muitas mulheres transexuais negras estão sendo assassinadas. Elas estão sendo assassinadas.”

Perguntado ainda sobre o que faria concretamente para proteger “crianças transgênero”, Biden respondeu que “vou simplesmente mudar a lei, eliminar essas ordens executivas [do atual presidente]“, segundo o site Breitbart, onde pode ser assistido o vídeo original. A notícia do Breitbart foi “verificada” por agências americanas, que cometeram o mesmo “erro” apelando para a ausência da expressão “mudança de sexo”, o que na verdade está implícita na expressão “decidir-se por ser transgênero”, usada pelo candidato.

A expressão transgênero pertence à “teoria de gênero”, segundo a qual uma pessoa pode ter um sexo biológico e, além disso, um gênero, isto é, uma outra característica com a qual se identifica. É amplamente documentado que os defensores de tal “teoria” ambicionam a ampliação de direitos a intervenções cirúrgicas e tratamentos hormonais, o que é estendido a crianças que se identifiquem como transgêneros.

Além disso, Biden afirmou que iria “mudar a lei”. A que lei ele se referia e o que ela propõe? A pergunta da eleitora citou “ataques” à comunidade LGBT, como retirada do termo “transgênero” de sites oficiais. Esse tipo de ação do governo Trump indica o não reconhecimento do conceito de “gênero” e, portanto, do conceito de “mudança de sexo”.

Em janeiro de 2020, um projeto de lei que proíbe a cirurgia de “mudança de sexo” (também chamada de redesignação de gênero) e os bloqueadores hormonais da puberdade para menores em Dakota do Sul (Estados Unidos) foi aprovado por um comitê do parlamento em 22 de janeiro e está previsto que seja debatido na Câmara dos Representantes. Portanto, Biden respondeu à pergunta com uma promessa muito clara sobre o que pretendia fazer.

O projeto HB 1057 tornaria um crime de Classe 1 que médicos receitem medicamentos bloqueadores da puberdade para menores de 16 anos a fim de mudar ou afirmar a percepção de seu sexo. Do mesmo modo, enumera uma série de procedimentos cirúrgicos que não seriam permitidos em menores, como a castração, a vasectomia e a histerectomia.

“Teoria” de gênero não tem comprovação científica

A chamada “mudança” de sexo vem sendo combatida por pediatras e psiquiatras infantis. A advogada e pesquisadora, Jane Robbins, diz que a chamada “revolução” transgênero, que pertence à controversa ideologia de gênero, “está acontecendo sem nenhuma evidência científica confiável para apoiá-la”.

Robbins observou ser um fato científico que o sexo biológico é imutável:

A ideia de mudar o sexo biológico de alguém é, obviamente, um absurdo, pois o sexo é determinado por cromossomos inalteráveis. Um indivíduo pode alterar seus níveis hormonais e se submeter a uma cirurgia para simular melhor o sexo oposto. Mas um homem no dia de sua concepção continuará um homem no dia de sua morte. … [A] ideia de que existe um traço pessoal real chamado “gênero” que desafia ou invalida o significado da identidade do sexo biológico é igualmente falaciosa. Mas a ausência de evidências genuínas é simplesmente ignorada, e falsas “evidências” são criadas para validar a moda”.

O American College of Pediatricians concluiu que especialistas de ambos os lados da questão concordam que 80 a 95% das crianças com diagnóstico de disforia de gênero “aceitaram seu sexo biológico no final da adolescência”.

Terry Schilling, diretor executivo da American Principles Project (APP), disse que a plataforma de Biden foi claramente “mais radical do que nunca”.

“Biden e seus colegas democratas se comprometeram a usar o poder do governo federal para destruir os esportes femininos e impor a crianças procedimentos altamente experimentais e perigosos de mudança de sexo”, disse ele. 

“Essas são posições com as quais a grande maioria dos eleitores americanos discorda. E, no entanto, os democratas raramente são cobrados por isso, obtendo passe livre da mídia e até mesmo dos republicanos”.

Outras “checagens” foram feitas pra desassociar Biden das propostas radicais de mudança de sexo em crianças durante o período das eleições americanas, o que ficou evidente em grupos de comunicação que frequentemente militam em favor de candidatos democratas. Outros apenas repercutiram as mesmas supostas checagens e davam os mesmos argumentos, isto é, de que o candidato não mencionou as palavras “mudança de sexo”.