SC: Moisés deu gargalhada de famílias educadoras, conta deputada

1
Foto: Secom-SC.
Anúncio:

Em recente manifestação no plenário da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), a deputada Ana Campagnolo (PSL) contou que o governador Carlos Moisés deu uma gargalhada quando a deputada pediu atenção às milhares de famílias perseguidas juridicamente por educarem seus filhos em casa. O governador disse que essas famílias compõem uma “minoria de extremistas” que não teria qualquer importância.

Não é a primeira vez que o governador classifica como extremistas os seus próprios eleitores, após ter sido eleito como “o candidato de Bolsonaro”. Moisés é visto como traidor por ter enganado o eleitorado conservador e chamado de oportunista por ter “surfado” a “onda Bolsonaro”, das eleições de 2018. No primeiro mês de governo, Moisés renovou um pacto com as Nações Unidas, a Agenda 2030, que inclui pautas progressistas caras à extrema esquerda, com aborto e ideologia de gênero.

Anúncio:

Ataque a minorias

Em tempos de defesa das minorias, o governador zombou de uma das minorias mais discriminadas do país, somando mais um ataque às já desprezadas e atacada por poderosos lobbys educacionais contrários à ideia da pluralidade pedagógica. Alvo de variadas formas de constrangimento e perseguições jurídicas, as famílias educadoras sempre são minoria em todos os países em que a prática é autorizada, como mostrou recente artigo publicado no jornal Gazeta do Povo.

No Brasil, as cerca de 15 mil crianças educadas em casa representam uma cifra incerta, já que por medo muitos pais não respondem aos questionários da Aned (Associação Nacional de Ensino Domiciliar). Estima-se cerca de 0,5% da população.

Nos países em que a educação domiciliar é legalizada, os números são muito semelhantes. Nos EUA, representa 0,7% da imensa população do país. Na Rússia, onde a prática é legalizada desde 2012, as 100 mil famílias representam 0,6% da população do país e na África do Sul, que legalizou a durante o governo de Nelson Mandela, a quantidade de estudantes em ensino domiciliar fica em torno de 30 mil, ou seja, 0,5% da população.

Governador é acusado de enganar eleitores conservadores

O governador enfrenta um processo de Impeachment por supostos crimes relacionado às ações de combate ao novo coronavirus. Moisés é acusado de desvio de 33 milhões de reais, fraudes na instalação de hospitais de campanha e o chamado escândalo dos “respiradores fantasmas”. Outro pedido, com investigação iniciada, trata de um aumento indevido a procuradores, que envolve também a vice-governadora Daniela Reinher.