“Contratos” fizeram OMS mudar definição de pandemia, conta membro de comitê alemão

0
Anúncio:

Reiner Fuellmich, membro do Comitê Alemão de Investigação do Corona, afirma que há 12 anos a Organização Mundial da Saúde (OMS) alterou a definição de pandemia, que antes necessitava de um alto grau de letalidade e passou a ser considerado apenas uma “doença mundial”. Ele afirma que foram certos negócios envolvendo produção de vacinas e a venda em todo o mundo que guiou essa mudança na definição.

A pandemia de gripe suína, em 2009, só pôde ser declarada graças à mudança nesta definição.

Anúncio:

“É importante observar neste ponto que a definição de uma pandemia foi alterada 12 anos antes. Até então, uma pandemia era considerada uma doença que se espalhava pelo mundo e que causava muitas doenças graves e mortes. De repente, e por razões nunca explicadas, era para ser apenas uma doença mundial. Muitas doenças graves e muitas mortes não eram mais necessárias para anunciar uma pandemia. Devido a essa mudança, a OMS, que está intimamente ligada à indústria farmacêutica global, conseguiu declarar a pandemia de gripe suína em 2009, com o resultado de vacinas serem produzidas e vendidas em todo o mundo com base em contratos que foram mantidos em segredo até hoje”.

Fuellmich tem chamado a atenção para o risco que as democracias vêm sendo expostas desde o início das restrições a direitos justificados pela declaração de pandemia.

“A democracia corre o risco de ser substituída por modelos totalitários fascistas”, diz Fuellmich. Ele acusa os “testes Drosten”, modelo PCR, na Alemanha, além de Tedros Adhanon, presidente da OMS, por crimes contra a humanidade, conforme definido no Código Penal Internacional. O comitê independente alemão defende a punição imediata das autoridades internacionais pelo escândalo de fraude científica de proporções mundiais.