EUA: democratas propõem lei que trata o racismo como “crise de saúde pública”

A lei, patrocinada pela senadora democrata Elizabeth Warren, também pretende criar um órgão federal encarregado de lidar com as “disparidades” no sistema de saúde americano.

0
Senadora democrata Elizabeth Warren (Win McNamee/Getty Images)
Anúncio:

A senadora Elizabeth Warren propôs um plano para exigir que o governo federal comece a desenvolver ativamente uma “política de saúde anti racista”. Juntaram-se a ela as deputadas Ayanna Pressley e Barbara Lee, todas do Partido Democrata. Segundo elas, a pandemia do coronavírus e a “brutalidade policial” são as razões principais para aprovar a legislação.

Em agosto, semelhante declaração fizeram diversos governadores democratas, que veem um “racismo sistêmico” impregnado nas instituições americanas.

Anúncio:

EUA: governadores democratas decretam que “racismo” é “crise de saúde pública”

“É hora de começarmos a tratar o racismo estrutural como trataríamos qualquer outro problema de saúde pública ou doença: investindo em pesquisas sobre seus sintomas e causas e encontrando maneiras de mitigar seus efeitos”, disse Warren em um comunicado. “Meu projeto de lei com as parlamentares Lee e Pressley é um primeiro passo para criar uma política de saúde federal anti-racista que estude e trate das disparidades nos resultados de saúde em suas raízes.”

A Fox News informou que a nova legislação irá criar uma burocracia federal que irá atuar no problema:

“O Anti-Racism in Public Health Act criaria um ‘Centro Nacional de Anti-racismo’ nos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) para pesquisar os impactos do racismo na saúde e criaria pelo menos três centros regionais em anti-racismo para educar público e para ajudar a coordenar melhores resultados de cuidados de saúde. A legislação também criaria um ‘Programa de Prevenção da Violência na Aplicação da Lei’ no CDC para combater a brutalidade policial.”

“Por muito tempo, nosso governo federal falhou em reconhecer e enfrentar o racismo estrutural que devastou as comunidades negras e pardas e negou acesso a cuidados de saúde de qualidade”, disse a deputada Ayanna Pressley. “Com a pandemia COVID-19 revelando e exacerbando as disparidades raciais nos resultados de saúde, é hora de reconhecer e tratar o racismo estrutural e a brutalidade policial como as crises de saúde pública que são.”