Esquerda consegue bloquear Paypal de Olavo de Carvalho e busca ainda mais censura

10
Anúncio:

O bloqueio do Paypal contra Olavo de Carvalho foi divulgado pelo jornalista Leandro Demori, que informou tratar-se de um bloqueio de 48 horas decidido pelo escritório empresa Paypal nos Estados Unidos.

Ao que tudo indica, o bloqueio veio em resposta a campanha do perfil do Twitter SleepingGiants, que embora tenha chego faz poucos meses ao Brasil, já conseguiu apoio de dezenas de grandes empresas nacionais e multinacionais, além de celebridades e de toda a grande mídia. Sua campanha consiste em pedir a grandes empresas o boicote contra todas as iniciativas midiáticas e culturais desalinhadas ao discurso de esquerda.

Anúncio:

Primeiro teve foco na interferência junto a anunciantes por mídia programática, pressionando-os a pedir a retirada de seus anúncios de sites de direita, ainda que as empresas comprem mídia do Google diretamente e não desses sites. As empresas colocam os sites conservadores numa “lista negras”, proibindo o Google direcionar anúncios. Com isso, a renda de sites de direita é reduzida. Mas agora o perfil de esquerda, SleepingGiants, quer derrubar as plataformas de pagamento usadas por pessoas de direita para vender produtos físicos e digitais, assinaturas e cursos. Nessa semana, o mesmo perfil de esquerda comemorou que a plataforma Apoia.se derrubou a conta do jornalista Bernardo P. Küster, que tinha recebia doações de dezenas de pessoa pela plataforma. Semanas atrás, esquerdistas comemoravam que a maior plataforma de cursos no Brasil, a Hotmart, informou que irá censurar conteúdos fora dos padrões e políticas da empresa, incluindo temas sensíveis e polêmicos politicamente.

O bloqueio até então temporário da conta do professor Olavo de Carvalho pode indicar uma nova fase de acirramento da censura que a esquerda realiza por meio da elite global que a apoia. O movimento escancara o alinhamento das maiores elites mundiais do capitalismo aos objetivos da esquerda. É “o capitalismo a serviço da esquerda” numa caçada contra a direita. Contrariando todas as narrativas marxistas que diziam que a direita representava o capitalismo e vice-versa, agora a esquerda mostra que ela “controla o capitalismo”. O problema do “grande capital” parece resolvido para a esquerda, pois os magnatas são de esquerda e os pequenos esquerdistas os servem e sentem-se servidos pelo “grande capital”.

O boicote e as ações de censura digital chegaram em níveis nunca antes vistos, com as maiores empresas do mundo colocando todos os seus esforços em calar vozes dissonantes do discurso e opiniões de esquerda.

Enquanto toda sociedade dependia da televisão e do rádio e essas eram propriedade de poucos grupos de magnatas, as opiniões circulantes reforçavam as teses progressistas. Agora com a internet, está sendo necessário calar as vozes conservadoras e para isso, gigantes como Google, Facebook/Instagram/WhatsApp, Twitter, Paypal e centenas de multinacionais aderem a campanha liderada por um perfil esquerdista anônimo que faz o mapeamento de quem deve ser boicotado primeiro.

Justificam sua campanha dizendo combater discurso de ódio e fake news, contudo, 1) não conseguem apontar o que é fake news, não há objeto caracterizado no suposto delito, que sequer existe tifipicado em lei, além disso, 2) não conseguem afastar de si o mesmos o “mesmo delito”, já que sobram exemplos de fake news que grandes veículos e grandes influenciadores de esquerda publicam e reverberam. Todavia, os que são de esquerda, não sofrem qualquer censura dessas elites que dominam o mundo.

Diante desse cenário, jamais a esquerda poderá dizer-se novamente a favor da liberdade e muito menos dizer que combatem o capitalismo, pois o monstro que a esquerda dizia que era o capitalismo é, na verdade, ainda mais perverso do que diziam, porém, esse monstro capitalista hoje é a própria esquerda.