Exilado no exterior, jornalista denuncia plano do STF contra Bolsonaro. Entenda

1
Reprodução TV Senado
Anúncio:

Em live realizada na quinta-feira (30), no canal da deputada federal Bia Kicis, o jornalista do canal Terça Livre, Allan dos Santos, informou já ter deixado o país para não sofrer retaliações físicas. Ele denuncia os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e um plano bem estruturado para cassar o presidente Jair Bolsonaro.

“A única maneira de eu poder dar essa informação era de fora do país. Hoje eu estou fora do país, seguro, e estou aqui trazendo essa notícia para vocês” disse o jornalista e complementou: “Se alguma coisa acontecer a mim ou com a minha família, só veio dessas pessoas e grupos: a embaixada da China em Brasília, a embaixada da Coreia do Norte em Brasília, Kakay, que é do Partido dos Trabalhadores, Barroso ou Alexandre”.

Anúncio:

Allan denuncia as escutas que estão na embaixada da Coréia do Norte, embaixada da China e na casa do advogado do PT, Kakay e, afirma que o ministro Roberto Barroso está ciente das escutas no Palácio do Planalto e não comunicou o presidente.

“Eu estou colocando minha vida em risco dando essa informação […]. Eles querem cassar o presidente Bolsonaro, estão fazendo escuta telefônica […]. Se eu ainda estivesse [no Brasil] eu estaria com medo de morrer, porque estamos lidando com criminosos. Eu estou acusando Luís Roberto Barroso de prevaricação. Ele prevaricou. Ele tem informações de grampos telefônicos vindo de duas embaixadas, o que é contra qualquer lei de segurança nacional, e não avisou o presidente da República”.

As escutas

Allan dos Santos afirma que Igor Tobias, funcionário do Tribunal Superior Eleitoral, teria contratado a empresa alemã Rohde & Schwarz para fazer uma varredura de escutas telefônica em Brasília. Esta empresa teria identificado três maletas de escuta telefônica em três locais distintos: a primeira, na residência do advogado do PT, Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay; uma segunda maleta estaria na Embaixada da China, e a terceira na embaixada da Coreia do Norte.

O equipamento é capaz de fazer escutas em celulares sem depender das operadoras e, por isso, em tese, sem a necessidade de autorização judicial. De acordo com reportagem da Folha, em 2008 a Polícia Federal já possuía dez aparelhos desse tipo, com custo estimado de US$ 500 mil cada um.

Segundo a reportagem da época, as maletas da PF foram compradas em 2007 da mesma empresa, a alemã Rohde & Schwarz. Elas podem funcionar em dois módulos: o amarelo permite ao equipamento apenas identificar a presença de sinais de celulares. O expediente é usado na solução de casos de sequestro, para a localização de vítimas. Já no modulo vermelho, o aparelho é capaz de interceptar e demodular o sinal, realizando a gravação da voz. Para operar nessa configuração, é preciso autorização de um juiz, informava a reportagem de 12 de setembro de 2008, intitulada: “Órgãos do governo terão que entregar maletas de grampo. O registro mostra o uso antigo da prática, inclusive pela mesma empresa alemã contratada.

O plano para cassar o presidente

Na mesma live, Allan denúncia um plano orquestrado pelo Supremo Tribunal Federal para cassar a chapa presidencial eleita em 2018.

“Eles querem cassar o presidente Bolsonaro, estão fazendo escutas telefônica. Fizeram duas operações de busca e apreensão na minha casa para colocar escutas. Minha casa, creio, foi a única que teve duas operações de busca e apreensão, porque eles colocaram escuta na primeira busca e apreensão e retiraram na segunda, provavelmente. Fizeram de tudo para obter qualquer tipo de informação que pudesse criminalizar o presidente Bolsonaro e utilizar isso no TSE, mas até agora não encontraram”, acrescenta.

O jornalista revela ainda que os ministros Luiz Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Edson Fachin já teriam elaborado um plano de fuga do Brasil para o mesmo dia em que for votada a cassação da chapa do Presidente Bolsonaro.

Santos alerta para a saída da esposa do ministro Luís Roberto Barroso do Brasil:

“A esposa do Barroso tem data para fugir do Brasil”, afirmou.

Allan dos Santos postou em seu Twitter as fotos que comprovariam as operações contratadas pela empresa.