FBI investiga atirador que matou filho e feriu marido de juíza federal nos EUA

Atirador vestido como trabalhador da FedEx atirou fatalmente no filho da juíza. Marido ficou gravemente ferido.

0
Foto: Arquivo familiar
Anúncio:

Policiais federais dos Estados Unidos (FBI) estão em busca do atirador matou o filho de uma juíza federal, Esther Salas, com disparou que também feriram seu marido. O atirador estava disfarçado de funcionário da FedEx e abordou a família em sua casa em Nova Jersey, no domingo à noite, segundo anunciaram as autoridades nesta segunda-feira (20).

Daniel Anderl, 20 anos, foi morto e seu pai, o advogado Mark Anderl, 63, está no hospital em estado grave.

Anúncio:

Salas estava no porão da residência e não se machucou, segundo a Associated Press. Daniel, um estudante universitário, era seu único filho. O jovem frequentou a St. Joseph High School, em Metuchen, Nova York, foi lembrado como “um verdadeiro amigo, um Falcon orgulhoso e um ser humano maravilhoso”, de acordo com o comunicado no site da escola.

“É com a maior tristeza que informamos que Dan Anderl ’18 foi tirado de nós ontem à noite”, diz o comunicado. “Ele fará muita falta. Oramos pela família e pelos amigos de Dan durante este período inacreditavelmente difícil – por favor, saiba, estamos de luto por você”.

O prefeito de North Brunswick, Francis “Mac” Womack, disse ao NJ.com que Mark Anderl, pai de Daniel, precisou de cirurgia logo após o ataque, mas agora está em condição estável em um hospital da região.

O FBI está investigando o caso com a assistência do Serviço de Marechal dos EUA, do Bureau de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos e agências estaduais e locais, de acordo com uma série de tweets.

Acredita-se que o suspeito, que ainda não foi identificado, tenha agido sozinho, posando como entregador da FedEx.

Em comunicado à Fox News, um porta-voz da FedEx disse que a empresa está “cooperando totalmente” com os investigadores e acrescentou: “Nossas mais profundas simpatias estão com a juíza Salas e sua família neste momento”.

Salas, que atua em Newark, foi nomeada pelo presidente Barack Obama e confirmada em 2011. Antes disso, ela atuou como juíza dos Estados Unidos em Nova Jersey, depois de trabalhar como defensora pública assistente por vários anos.

Ela é a primeira mulher hispânica a ser nomeada para a função de juíza distrital dos EUA no estado, de acordo com vários relatórios.

Perguntado se as autoridades pensaram que o tiroteio estava ligado ao trabalho da juíza ou ao atual clima de agitação política, a juíza distrital Freda Wolfson disse: “Nós realmente não temos ideia”.

Um dos casos de maior destaque de Salas, nos últimos anos, foi o caso de fraude financeira envolvendo as estrelas de reality show “Real Housewives of New Jersey” Teresa e Joe Giudice, a quem Salas condenou à prisão por crimes como fraude de falência e evasão fiscal.

Em comunicado à Fox News, James Leonard Jr., advogado de Teresa Giudice, classificou as notícias de “absolutamente devastadoras”.

“Teresa ficou muito abalada com a notícia e ficou muito emocionada ao saber disso”, disse Leonard. “Ela me disse que estaria orando pela juíza Salas e sua família.”

Em 2017, ela proibiu os promotores federais de buscar a pena de morte contra um suposto líder de gangue acusado de vários assassinatos em Newark, determinando que a deficiência intelectual do homem o tornava inelegível para a pena de morte. Salas, mais tarde, condenou o homem a 45 anos de prisão.

Na quinta-feira (17), Salas foi designado para lidar com uma ação coletiva movida contra o Deutsche Bank por Ali Karimi em nome de investidores que compraram títulos do banco entre 7 de novembro de 2017 e 6 de julho de 2020. A denúncia alega que o banco “não conseguiu monitorar adequadamente os clientes que o próprio Banco considerou de alto risco, incluindo, entre outros, o agressor sexual condenado Jeffrey Epstein “, mostram registros dos tribunais federais.

*Com informações da FoxNews, em tradução livre