De Lippmann a Dworkin: o tribunal da suprema imprensa

0
Anúncio:

Tanto o direito quanto o jornalismo, disciplinas das ciências humanas aplicadas, tiveram em sua história recente episódios de profunda transformação no que diz respeito às suas funções na sociedade. Se Walter Lippmann, um dos mais influentes intelectuais do século XX, sugeriu aos intelectuais um papel de tutores na determinação da opinião pública, a Ronald Dworkin, o mais influente filósofo do direito, coube a defesa quase intransigente do ativismo judicial pelas supremas cortes. A justiça, assim, definida pelo que uma opinião pública tutelada entende como “costume”, positiva a transformação desenhada por intelectuais.
Desde que Walter Lippmann, em seu livro Opinião Pública, sugeriu que as opiniões fossem "organizadas para a imprensa e não pela imprensa", chamando para essa tarefa uma genérica "ciência política", fazia com isso uma previsão ou profecia auto realizável, na qual uma elite...

Conteúdo

Clique aqui e desfrute cursos, artigos e estudos exclusivos.
Apoie veículos independentes.

Anúncio:


Se você já é assinante faça seu login abaixo: