Revista TIME problematiza super-heróis: “são como policiais” e “devem ser reexaminados”

5
(Photo by Jack Taylor/Getty Images)
Anúncio:

A revista TIME publicou um artigo, na última segunda (29), com o título de Estamos reexaminando como retratamos policiais na tela. Agora é hora de falar sobre super-heróis”.

Eliana Dockterman, a autora do texto, critica que a apresentação de policiais no cinema é positiva demais e contrasta com “histórias de racismo sistêmico no sistema de justiça criminal. Os ‘bandidos’ que eles perseguem são geralmente negros, seus personagens não desenvolvidos além da criminalidade.”

Anúncio:

A autora então resolve problematizar os super-heróis e questiona, igualando os policiais a eles: “o que são super-heróis, exceto policiais com capas que promovem a justiça com seus poderes?”

A crítica dos progressistas à polícia, que eles acusam de fazer parte de um sistema opressivo de racismo, embora já sedimentada há muito tempo, ganhou mais força no mês passado com a morte do afro-americano George Floyd, morto asfixiado por um policial branco no estado americano de Minnesota.

Desde então a narrativa de que a instituição polícia é racista e merece ser desmantelada se alastrou velozmente.

Eliana Dockterman queixa-se de que “a maioria dos super-heróis é branca e funciona como uma extensão de um sistema judicial quebrado dos EUA.” E vai além:

“Além do mais, dado que os criadores e estrelas desses filmes são historicamente homens brancos, não surpreende que tão poucos considerem questões de racismo sistêmico – sem falar em sexismo, homofobia, transfobia e outras formas de fanatismo incorporadas ao sistema judicial ou aos preconceitos inerentes que esses super-heróis podem carregar com eles enquanto patrulham as ruas ou o universo.”