Com apoiadores caçados pelo país, Governo vai processar chargista por desenho

Chargista chama Bolsonaro de nazista e apoiadores do presidente são presos e perseguidos nas redes sociais por defendê-lo

2
Anúncio:

Em meio à perseguição aberta e declarada contra apoiadores do governo, além de trabalhadores e comerciantes sendo impedidos de trabalhar, o governo de Jair Bolsonaro, através da Secretaria de Comunicação, decidiu processar o cartunista Renato Aroeira, autor de uma charge que foi compartilhada pelo blogueiro Ricardo Noblat, que ofende a imagem do presidente.

A prisão da ativista Sara Winter, nesta segunda-feira (15), está provocando uma onda de críticas e cobranças de reação ao governo de Jair Bolsonaro, montado sob a forte influência de generais de alta patente.

Anúncio:

O jornalista compartilhou a charge desenhada por Aroeira em que Bolsonaro é flagrado com um balde e um pincel pintando a cruz de um hospital para que se torne uma suástica nazista. Na peça, o presidente também diz “bora invadir outro”, remetendo a fala de Bolsonaro em que incentivou que apoiadores invadissem hospitais para checar o número de leitos ocupados, disse matéria do site IG.

O perfil da Secom no Twitter escreveu que “falsa imputação de crime é crime”. “O senhor Ricardo Noblat e o chargista estão imputando ao Presidente da República o gravíssimo crime de nazismo; a não ser que provem sua acusação, o que é impossível, incorrem em falsa imputação de crime e responderão por esse crime”, publicou o perfil oficial da Secretaria.

Desde o tempo das eleições, foram milhares os ataques “jornalísticos” contra o governo e nenhum deles revidados. A Secretaria, comandada pelo publicitário Fábio Wajngarten, que manteve as mesmas práticas publicitárias dos governos anteriores, esperou até este momento para agir, quando apoiadores do governo são perseguidos e presos.

A família de Ricardo Noblat, historicamente envolvida com o governo, não foi incomodada pelo primeiro governo conservador. A empresa fundada pela esposa de Noblat comanda comunicação do MEC e Cidadania e foi responsável pelo vídeo que derrubou Roberto Alvim. Além disso, a esposa de Noblat foi denunciada pelo Ministério Público por fraude de R$ 33 milihões no INCRA, de acordo com matéria do jornalista Oswaldo Eustáquio.