Após prisão de ativista, governo é criticado e Bolsonaro cobrado nas redes sociais

Perseguidos por apoiar presidente, internautas e ativistas se vêem indefesos

7
Presidente Jair Bolsonaro cumprimenta turistas no Palácio da Alvorada Foto: Agência Brasil
Anúncio:

Após a prisão da ativista do Movimento dos 300, Sara Winter, em Brasília, uma onda de críticas miram o Governo e o presidente nas redes sociais, cobrando de Bolsonaro pela sua frase dita no dia em que 29 apoiadores foram alvo de busca e apreensão. Naquele dia, Bolsonaro disse em entrevista: “Acabou, porra!”. A frase era uma reação à perseguição do STF contra a liberdade de expressão na internet.

Cansados de declarações sem ação do presidente da República, porém, internautas e apoiadores começaram, nesta segunda-feira (15), a mudar o tom do seu apoio. Ao omitir-se de crimes contra a liberdade de expressão, o presidente corre riscos de perder o único apoio que ainda lhe resta.

Anúncio:

Alguns bolsonaristas chegaram a pedir a demissão do ministro da Justiça, André Mendonça, além dos generais do alto escalão do governo, chamados de “frouxos”.

O jornalista Paul Eneas, do site Crítica Nacional, pediu providências de deputados governistas.

“Quantos parlamentares da base conservadora já tomaram iniciativas contra prisão de Sara Winter? Digo ações concretas, como HC e outras medidas que são prerrogativas de parlamentares? Se for pra levantar hashtag, melhor ficar de boca calada e reduzir-se à própria covardia”.

Na última semana, a deputada Carol De Toni foi alvo de piadas devido um ensaio fotográfico, justamente quando trabalhadores, comerciantes, jornalistas, blogueiros e ativistas apoiadores do governo são perseguidos pela Suprema Corte e tendo seu material de trabalho apreendido.

O jornalista J.R. Guzzo opinou em sua conta do Twitter:

“Saiu, enfim, a primeira prisão política no governo de direita do presidente Jair Bolsonaro, acusado todos os dias de tramar uma ditadura no Brasil. A PF não pegou nenhum inimigo do governo. Prendeu, justamente, uma militante de direita e bolsonarista radical. Ela não gosta do STF”

O jornalista Oliver Talk, do site Senso Incomum, lembrou da reação da esquerda para defender seus militantes contra possíveis ações no STF.

“Os deputados de esquerda protegem seus militantes. E os deputados federais de direita?”, questionou o colunista.

Bernardo Küster, youtuber e jornalista, chamou a atenção para a omissão da ala militar do governo:

Já o jornalista Allan dos Santos, do Terça Livre, postou no Twitter uma relação de criminosos e inimigos do governo que ainda estão soltos enquanto jornalistas, blogueiros e ativistas são perseguidos pela única acusação de defenderem Bolsonaro. Allan cobrou ações do governo e a aplicação da lei.

Nenhum ANTIFA está na cadeia. Nenhum membro do MST está na cadeia. Nenhum membro do MTST está na cadeia. Dirceu e Lula estão soltos. Não quero saber de métodos bons ou ruins para a IMAGEM do governo. Quero saber de APLICAÇÃO DA LEI. Ponto final.

Enquanto isso, grupos violentos depredaram patrimônio e espancaram apoiadores do governo em ações “antifascistas”, com bandeiras que pediam “ditadura do proletariado”, retratados por jornais do país inteiro como “movimentos pró democracia”.

Na semana passada, o filósofo Olavo de Carvalho publicou um vídeo em que classificava o presidente como “covarde” diante de seus inimigos e acusou o presidente de prevaricação, que é a omissão diante de crime evidente cometidos contra o próprio governo e seus apoiadores pelo STF, o que vem ocorrendo a partir de iniciativas como o “inquérito das fake news”, considerado ilegal por muitos juristas.

 

Inscreva-se em nossa Newsletter e receba novidades por e-mail.