A crise iminente

Presidente Bolsonaro enumera 14 pontos que apontam para uma crise.

0
O presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa no Palácio da Alvorada
Anúncio:

Neste sábado (30), o presidente Jair Messias Bolsonaro, por meio de suas redes sociais, enumerou em 14 pontos, as razões para uma crise iminente na República.

Na postagem, intitulada “Tudo aponta para uma crise”, o presidente fala sobre as matérias da mídia tradicional de cunho manipulado, dando destaque à investigação da Polícia Federal e do inquérito ilegal do Supremo Tribunal Federal.

Anúncio:

“Nas primeiras páginas dos jornais, o pedido da PF para a prorrogação das investigações do inquérito, no âmbito do STF, que apura se o PR interferiu politicamente, ou não, na PF, segundo a acusação do ex-ministro Sérgio Moro. A Polícia Federal quer ouvir oficialmente o PR sobre a denúncia”, disse Bolsonaro.

Com clara insatisfação, o presidente comenta o injusto pedido do ministro Og Fernandes, do Tribunal Superior Eleitoral, onde requerer que a chapa presidencial se explica no prazo de três dias sobre a inclusão de informações do inquérito das fake News e destaca em seu post:

“Estadão realça que esse seria o caminho mais próximo para retirá-los do Poder.”

Na postagem, o chefe do Executivo ressalta que:

  1. Primeiras páginas dos jornais abordaram com diferentes destaques, as decisões envolvendo a atuação do STF, da PF, do TCH e do TSE em relação ao governo Bolsonaro e seus aliados.
  2. O ministro do STF, Celso de Mello, fez um pedido de investigação contra o deputado federal Eduardo Bolsonaro, à Procuradoria Geral da República, por crime de incitação à subversão da ordem política ou social. A prática viola a Lei de Segurança Nacional.
  3. A notícia-crime foi protocolada na Corte depois do parlamentar dizer, em um vídeo publicado nas redes sociais, que não se trata de uma questão de “se”, e sim “quando” haverá uma ruptura político-institucional.
  4. Nas primeiras páginas dos jornais, o pedido da PF para a prorrogação das investigações do inquérito, no âmbito do STF, que apura se o PR interferiu politicamente, ou não, na PF, segundo a acusação do ex-ministro Sérgio Moro. PF que ouvir oficialmente o PR sobre a denúncia.
  5. Estadão e O Globo publicam, o pedido do ministro Og Fernandes, do TSE, para que a chapa Bolsonaro/Mourão se manifeste, em três dias, sobre a inclusão de informações do inquérito das fakenews em dois processos da Justiça Eleitoral, que questionam a diplomação dos dois.
  6. A acusação é a de que a chapa usou empresas para efetuar disparos em massa de mensagens com notícias falsas contra opositores. ? *- Estadão realça que esse seria o caminho mais próximo para retirá-los do Poder.*
  7. Estadão: a investigação do STF para apurar “fakenews” contra ministros da Corte pode chegar ao chamado “gabinete do ódio”, que trabalharia próximo ao PR e seria comandado por Carlos Bolsonaro. Faltando 45 dias p/ conclusão, o jornal já fala da intenção de prorrogar o inquérito.
  8. Estadão notícia que o subprocurador, Lucas Furtado, ingressou com uma representação para que o plenário do analise se a ação do grupo de servidores é financiada, ou não, por recursos públicos. O grupo teria 23 servidores na assessoria especial do gabinete presidencial.
  9. Rede desistiu da ação, que solicitava o fim do inquérito aberto para apurar ataques e ofensas ao STF. Agora, o partido não quer o final do inquérito, que serviu para o ministro-relator, Alexandre de Moraes, acusar um rol de pessoas ligadas ao PR. E que a PGR quer suspender.
  10. O inquérito, diz o partido, apresentava “inquietantes indícios antidemocráticos”, mas, um ano depois, “se converteu em um dos principais instrumentos de defesa da democracia”. Oportunismo jurídico. O ministro Edson Fachin decidirá se aceita ou não o pedido da Rede.
  11. Jornais também destacaram na suas capas o manifesto dos procuradores da República, com a assinatura de 590 de 1.150 integrantes do MPF, para a adoção da lista tríplice para a nomeação do chefe da instituição.
  12. Segundo a leitura política da mídia, o manifesto é uma reação à postura do atual PGR, Augusto Aras, que estaria favorecendo o PR, e foi escolhido fora da lista tríplice encaminhada ao Presidente da República.
  13. Na capa da Folha de S. Paulo e do O Globo o fato do ministro da Educação, Abraham Weintraub, ter ficado calado no depoimento à Polícia Federal, no prédio do MEC, sobre suas declarações contra os ministros do STF na reunião ministerial do dia 22 de abril.
  14. PR lhe concedeu a medalha do mérito naval, que a mídia entendeu como uma “provocação.” Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, voltou a atacar Weintraub, lamentando o país ter um “ministro tão desqualificado.”