Senador quer barrar deputados bolsonaristas na CPI das Fake News

Senador Humberto Costa (PT) propôs impedir a participação de deputados da ala bolsonarista na CPI das Fake News

1
Foto:Marcelo Camargo/Agência Brasil
Anúncio:

Líder do PT no Senado, Humberto Costa, conhecido como “vampiro” na lista da Odebrecht, diz que “é inaceitável que eles exerçam papel de investigadores de crimes pelos quais são investigados”, se referindo a deputada federal Carla Zambelli, Bia Kicis, Filipe Barros, Daniel Silveira, Cabo Junio Amaral e Luiz Phillipe de Orleans e Bragança.

Humberto Costa que, segundo investigações, recebeu R$ 1 milhão do esquema de propinas e corrupção na Petrobrás para sua campanha em 2010, também foi ministro da Saúde do governo Lula, e afirmou, em 2017, que “é hora de assumir a corrupção do PT”, propôs agora, que seja impedida a participação, na CPI das Fake News, de deputados investigados no inquérito inconstitucional de Alexandre de Moraes.

Anúncio:

Costa levantou a “suspeição” dos deputados como julgadores na comissão e citou a previsão regimental de que parlamentares não podem votar matérias que têm interesse pessoal no resultado. Para ele, os seis deputados são “conhecidos nas redes sociais como disseminadores de fake news” e “estão na mira do inquérito do STF”.

“Um parlamentar que tenha interesse direto nos resultados de inquérito parlamentar, a exemplo das CPIs, não deve participar das atividades da comissão”, escreveu.

Em ato dissonante com a realidade, Humberto Costa afirmou que “É inaceitável que eles exerçam papel de investigadores de crimes pelos quais são investigados”, já que, no inquérito do STF, Alexandre de Moraes exerce os três papéis: ofendido, investigador e julgador.

Os deputados em questão não possuem cadeiras na Comissão Parlamentar de Inquérito. Joice retirou as vagas de deputados alinhados com o presidente e indicou rivais do grupo governista no partido. A intenção do senador é impedir que participem da CPI em futuro próximo.

Assim como o inquérito relatado por Alexandre de Moraes no Supremo, a CPI também investiga o financiamento de supostas redes de difamação montada por aliados do presidente e aprovou a convocação para depoimento dos empresários Luciano Hang (lojas Havan) e Otávio Fakhoury (site Crítica Nacional). Ambos foram alvo de busca e apreensão na última quarta-feira (27). Hang teve os sigilos bancário e fiscal quebrados.

*Com informações do Estadão