Ministro da Educação responde às mentiras da Rede Globo.

Emissora retirou do contexto frase do ministro dita na reunião ministerial divulgada por Celso de Mello

4
Foto: Marcelo Camargo/Agencia Brasil
Anúncio:

Não é novidade que a Rede Globo, da família Marinho, costuma retirar frases do contexto e manipular conteúdos para fazê-los encaixar-se na narrativa defendida por eles e, com a reunião ministerial, conhecida por “reunião que reelege Jair Bolsonaro”, não foi diferente.

A celeuma se dá pela frase do ministro da Educação, Abraham Weintraub, onde ele afirma:

Anúncio:

Odeio o termo povos indígenas, odeio esse termo. Odeio. Povos ciganos. Só tem um povo neste país, quem quer quê, quem não quer, sai de ré. É povo brasileiro. Só tem um povo. Pode ser preto, pode ser branco, pode ser japonês, pode ser descendente de índio, mas tem que ser brasileiro. Acabar com esse negócio de povos e privilégios. Só pode ter um povo. Não pode ter ministro que acha que é melhor que o povo”.

A Rede Globo cortou a fala do ministro, deixando apenas  “odeio o termo povos indígenas”, dando a entender que Weintraub declarou ódio contra povos indígenas, ação xenófoba.

O ministro, através de suas redes sociais, esclarece: “Esse desabafo não foi um discurso pensado. Eu estava em uma reunião FECHADA e todos tiveram que entrar sem celular. Sou realmente um cara sincero e educado, como podem constatar”. E finaliza: “Empregados milionários da Globo/Marinhos, tenham um pingo de honestidade e passem a fala completa! Eu sou fruto da mistura que deu origem ao POVO BRASILEIRO (inclusive índios)! Nós somos o único povo do Brasil! Parem de criar ódio com mentiras! De tentar nos dividir!”.

A Globo não se pronunciou sobre o esclarecimento do ministro. A emissora também afirmou que o Weintraub referiu-se com palavras de baixo calão ao Supremo Tribunal Federal (STF), o vídeo divulgado provou que era mentira.

Outra mentira

Em episódio recente, a Rede Globo, afirmou que os irmãos Weintraub, Abraham e Arthur, estavam em processo contra sua genitora para impedir que ela pegasse a herança deixada pelo pai. O ministro, à época, esclareceu que a mãe morreu há mais de 20 anos

Errata

No Jornal Nacional, William Bonner, veio a público, na última sexta-feira (23), esclarecer que o Jornal Nacional errou ao afirmar que o chefe do Executivo, Jair Bolsonaro, disse, em reunião, que queria que a Polícia Federal o blindasse, quando na verdade o presidente foi enfático ao dizer que NÃO quer ser blindado pela Polícia Federal.