PT cita Moro em pedido de impeachment de Bolsonaro

Partido do condenado Lula subscreve o 35º pedido de impedimento do presidente, apresentado na última quinta-feira (21) pela oposição.

2
Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Anúncio:

O pedido é liderado pelo PT, partido com maior número de réus e condenados por corrupção e protagonista do maior caso de corrupção da história mundial. Ironicamente, o pedido cita em seu favor, um de seus maiores algozes, o ex-juiz Sérgio Moro.

O pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro foi protocolado na última quinta-feira (21), tendo como base as acusações feitas pelo ex-ministro Sérgio Moro quando deixou o cargo mês passado.

Anúncio:

O líder do PT no Senado, Rogério Carvalho (SE), afirma que as acusações de Moro contra Bolsonaro não são o ponto central do pedido feito nesta quinta pelo partido, e sim a conduta do presidente frente à pandemia. “Para nós, a acusação de Moro é um detalhe que precisa ser investigado. E investigar o Moro e ele (Bolsonaro), porque o Moro só foi denunciar no dia em que foi contrariado (sobre a mudança comando da PF). Mas não é o centro do pedido de impeachment, o principal é a pandemia, a eugenia dessas ações do governo”, disse o parlamentar ao Broadcast/Estadão.

O senador petista pelo estado de Sergipe, Rigério Carvalho, é condenado por improbidade administrativa e, em 2019, foi condenado a ressarcir o erário no valor de R$ 589,9 mil. O parlamentar também teve suspensos os direitos políticos pelo prazo de cinco anos. A condenação é referente a junho de 2007, quando Carvalho era secretário estadual de Saúde de Sergipe, e havia contratado uma associação para gerir hospitais no interior do estado.

Embora condenado e com seus direitos políticos cassados, o senador afirma que as acusações feitas por Moro representam “só mais um crime” de Bolsonaro.

O foco do pedido é a condução do Chefe do Executivo frente a pandemia do covid-19. “O crime maior (de Bolsonaro) é contra a vida durante a pandemia do novo coronavírus. Desde que Moro saiu do governo, outro ministro da Saúde caiu, Bolsonaro andou de jet-ski após país atingir 10 mil mortos por covid-19, ofendeu as instituições. Então, o problema não é o Moro, e sim a tragédia que Bolsonaro é, querendo resolver a economia expondo pessoas à morte, sem uma política para o País.”

Leia também: Influenza e pneumonia mataram 81 mil pessoas no Brasil em 2018 e 24 mil no inverno da Itália de 2017

O PT e demais legendas que entraram com pedido de impeachment contra o presidente, pedem que Moro seja incluído no rol de testemunhas do processo. Porém, não há qualquer expectativa que Rodrigo Maia (DEM) aceite o pedido nas próximas semanas.

*Com informações do Estadão e UOL