Deputada italiana exige prisão de Bill Gates por “crimes contra a humanidade”

Deputada elencou tragédias humanas irreparáveis como consequência das vacinas financiadas pela Fundação Bill e Melinda Gates

2
Anúncio:

“Da próxima vez em que você receber um telefonema do filantropo Bill Gates, encaminhe-o diretamente ao Tribunal Penal Internacional por crimes contra a humanidade”, disse a deputada italiana Sara Cunial ao primeiro-ministro do país, Giuseppe Conte, ao finalizar um discurso que rapidamente viralizou na internet. A deputada fez uma longa lista de crimes e objetivos do filantropo dono da Microsoft.

A deputada denunciou a influência do bilionário nas políticas da Organização Mundial de Saúde (OMS) e o histórico de programas experimentais de saúde pública e vacinação massiva em países do terceiro mundo.

Anúncio:

A deputada prevê um futuro negro para Itália, em que as pessoas sentirão na pele o que é a pobreza ou mesmo a miséria e a morte, pois “já percebemos que não se morre apenas do vírus”, graças às leis e medidas tomadas no contexto da pandemia por pressão da OMS “cujo principal financiador é o conhecido ‘filantropo e salvador do mundo’ Bill Gates”.

Sara Cunial alerta ainda para o fato suspeito de o bilionário ter “profetizado” uma vasta pandemia no âmbito do Event 201, no qual simulava-se o cenário de impacto e resposta a uma eventual disseminação global de um novo coronavírus.

Nas vacinas financiadas por Gates, que agora aparecem como a remédio à pandemia, a deputada aponta como causa de tragédias humanas irreparáveis:

“Graças às suas vacinas, [Gates] conseguiu esterilizar milhões de mulheres na África e provocou uma epidemia de poliomielite que fez 500 mil meninos paralíticos na Índia”.

O bilionário vem sendo acusado de reunir consórcios de “capitalismo colaborativo” entre a OMS, entidades reguladoras, organizações filantro-capitalistas, instituições públicas, acadêmicas e governamentais com vista a monopolizar as políticas de saúde de países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento, o que levanta evidentes conflitos de interesse, não só no âmbito da aprovação das suas “soluções” (em geral, vacinas), como na sua implementação e avaliação.

Suprimindo todo e qualquer contrapoder que se lhe oponha, e com a colaboração da imprensa dominante, os programas de vacinação massiva, promovidos pela Global Alliance for Vaccines and Immunization (GAVI) e a Bill & Melinda Gates Foundation, são apresentados ao público como um grande sucesso. Mas segundo Janice Graham, investigadora da Dalhouse University (Canada), esta fixação numa solução mágica para doenças particulares, bem como a mobilização generalizada que a sua implementação implica, só tem resultado na proliferação de outras doenças e numa decadência dos sistemas de saúde locais.

Entretanto, com a pandemia COVID-19, e concretizando uma oportunidade profetizada no seu Event 201, o ilustre financiador da OMS está prestes a realizar o seu objectivo: “vacinar 7 mil milhões de pessoas“.

*Publicação original: Notícias Viriato (Portugal)