Facebook diz que páginas de protestos contra o “fica em casa” violam suas regras

5
Mark Zuckerberg. (Photo/Andrew Harnik)
Anúncio:

O Facebook determinou que as páginas que organizam marchas e eventos para protestar contra a quarentena violam as diretrizes da plataforma e serão excluídas, a menos que sejam observadas diretrizes sociais de distanciamento nos protestos, informou o Washington Examiner.

Na última semana, diversos movimentos contra o “fica em casa” acontecerem nos Estados Unidos e Brasil. Em ambos os países a competência para regular a quarentena ficou na mão dos estados; onde as regras foram mais rígidas, principalmente com o fechamento quase total de comércios, grande parte da população se rebelou e pediu a flexibilização das ordens, sob a clara ameaça de catástrofe econômica que já se faz visível.

Anúncio:

“A plataforma [Facebook] disse que o planejamento de tais eventos é proibido, porque seria um desafio às recomendações de qualquer ‘governo relevante’ sobre como impedir a propagação do coronavírus”, escreveu o Examiner.

“A menos que o governo proíba o evento durante esse período, permitimos que ele seja organizado no Facebook”, disse o porta-voz do Facebook. No entanto, acrescentou que “por esse mesmo motivo, eventos que desafiam a orientação do governo sobre distanciamento social não são permitidos no Facebook.”

Em entrevista ao programa americano Good Morning America, da ABC, na segunda-feira, Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, disse que:

“… Você sabe, é importante que as pessoas possam debater políticas, então há uma linha sobre isso. Mas, você sabe, mais do que o discurso político normal, acho que muitas das coisas que as pessoas estão dizendo são falsas por aí, e no contexto de uma emergência de saúde como essa podem ser classificadas como desinformação prejudicial.”

Ao contrário do Facebook, o presidente Donald Trump pareceu simpatizar-se com os manifestantes contrários a quarentena. “São pessoas expressando suas opiniões”, disse Trump numa coletiva de imprensa na Casa Branca. “Eles parecem ser pessoas muito responsáveis para mim, mas foram tratados de maneira um pouco grosseira.”