Feministas bloqueiam uma universidade de Paris para denunciar a “opressão patriarcal”

2
ROMUALD MEIGNEUX/SIPA
Anúncio:

O Valeurs Actuelles noticiou que, na última segunda (9), um bloqueio foi organizado na Université Paris 8 com o pretexto de “diversidade de gênero”, e as ativistas feministas demandaram a expulsão dos “estupradores e suas facções”.

“As ativistas feministas procuraram expressar sua raiva, mais determinadas do que nunca a derrubar o patriarcado, responsável por todos os males. Na manhã de segunda-feira, 9 de março, feministas da Universidade Paris 8, localizadas em Saint-Denis (Seine-Saint-Denis), participaram de uma ação para bloquear o estabelecimento, com a intenção de denunciar a opressão patriarcal”, escreveu o Valeurs.

Anúncio:

Segundo um dos organizadores do protesto, no bloqueio só havia a participação de mulheres, com exceção de “homens transgêneros”.

As estudantes feministas denunciaram a “impunidade de estupradores”, “agressores” e “assediadores” dentro da universidade.

 

 

Inscreva-se em nossa Newsletter e receba novidades por e-mail.

 

2
Deixe um comentário

avatar
8000
2 Tópicos de comentários
0 Respostas em tópicos
2 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Comentário mais polêmico
2 Autores dos comentários
LucSBruno Autores de comentários recentes
  Notifique-me  
newest oldest most voted
Notificar de
LucS
Visitante
LucS

“As estudantes feministas denunciaram a ‘impunidade de estupradores’, ‘agressores’ e ‘assediadores’ dentro da universidade”

Ué, não entendi, a ideia desse povo progressista não é acabar com o caráter PUNITIVO das penas???
Não defendem sempre a não punição em nome da RESSOCIALIZAÇÃO????
O ideal “humanista” das feministas e esquerdistas em geral não é trocar a “pena punitiva” por um processo de “ressocialização”???
Então, estão reclamando do quê?
Se fossem minimamente coerentes, deveriam estar pedindo políticas de ressocialização para os “estupradores”, os “agressores” e não punição…

Bruno
Visitante
Bruno

Esses “protestos” são realizados com conivência das Universidades, que desejam promover a visão da mulher vítima da sociedade opressora e conseguir mais alunos para seus cursos de humanas que não tem utilidade alguma para a sociedade.