Como a Globo criou o “santo” que ama estupradores e odeia crianças pobres

O abraço no estuprador que matou menino de 9 anos, liga-se ao ódio que o médico tem de crianças pobres. Assim com eugenistas do século passado, Drauzio defende menos nascimentos entre os pobres.

11
Anúncio:

Há décadas, o médico do Fantástico, Drauzio Varella goza de uma imagem beatífica nas telas da TV. Mas graças à liberdade de informação na Internet, algumas das ideias do médico podem ser conhecidas e analisadas, revelando um verdadeiro bestiário midiático de chavões assustadores. Basta que olhemos mais de perto as opiniões deste verdadeiro doutor Mabuse.

O leitor que analisar atentamente as ideias do doutor Drauzio certamente ficará em dúvida sobre a verdadeira face do médico criado pelas lentes do Fantástico. Seria ele um paciente de sanatório fazendo-se passar por médico? Todas as pistas levam a essa conclusão.

Anúncio:

No último Fantástico, o médico visitou na penitenciária um estuprador pedófilo, acusado de forçar uma criança de 9 anos ao sexo anal e oral, matando-o em seguida e escondendo o corpo. Com o objetivo focado na imagem beatífica do médico, a reportagem ocultou o delito do criminoso, que chamou eufemisticamente de “interno da penitenciária”. Mas o episódio vem causando profunda revolta nos brasileiros tão logo foi revelado o hediondo crime do transexual que a matéria tentava vitimizar.

Na verdade, o doutor Drauzio pode ser considerado um dos formadores de opinião mais cruéis e sanguinários do Brasil. Com espaço no Fantástico há anos, o doutor é um ferrenho militante da causa abortista, que considera um direito sobretudo aos mais pobres. Em cínico extremismo, ele advoga pelo direito do pobre não nascer para não aumentar a criminalidade. Ele acredita ferozmente que a causa da criminalidade está no excesso de pessoas. Então, nada melhor que matá-las antes que nasçam impedindo certas pessoas de ter filhos.

“O problema mais grave do país talvez seja o da natalidade entre a população pobre”, disse em seu próprio blog. Mas sabe que isso não seria, digamos, bem aceito. “Tenho consciência plena de que essa afirmação é considerada politicamente incorreta e que me traz problemas com certas alas da intelectualidade todas as vezes que a faço. Mesmo assim, vou insistir nela”. Drauzio se vê como visionário, à frente do seu tempo.

Mas a origem de suas ideias está lá atrás. Suas ideias remontam ao período mais sombrio de nossa história: o nazismo. Até as décadas de 20 e 30, haviam grupos que defendiam abertamente o aborto forçado de pobres. Depois do nazismo, a proposta ficou muito mal vista, fazendo com que os defensores mudassem a justificativa, passando a falar em “saúde pública” e direitos da mulher.

Drauzio vai mais longe e exige providências para matar pobres antes que seja tarde.

“Se não tomarmos providências imediatas, a violência urbana nas próximas décadas nos fará sentir saudades da paz que ainda desfrutamos em lugares como São Paulo e Rio de Janeiro”.

Ele argumenta que antigamente os filhos tinham uma utilidade, mas hoje, dada a urbanização, não servem para nada. “Hoje, com 80% dos habitantes nas cidades, três ou quatro filhos pequenos por acaso contribuem para melhorar o orçamento doméstico?”, argumenta.

Em seus artigos, Drauzio demonstra opiniões muito semelhantes a de intelectuais do início do século passado, quando era comum defender o fim da formação familiar para os pobres, que deviam ter a reprodução mantida sob controle.

Ele acredita saber quem pode ou não ter filhos. “Os que menos filhos deveriam conceber são justamente os que mais os têm. Por quê? Por sem-vergonhice? Por maldade, só para vê-los sofrer?”, diz o médico.

“Sai muito mais caro abrir escolas, hospitais, postos de saúde, servir merenda, dar remédios e arranjar espaço físico para esse mundo de crianças”, finaliza o homem que abraçou o transexual culpado de estuprar e matar menino de 9 anos. Drauzio odeia crianças. Principalmente as pobres.

Margareth Sanger, a verdadeira mãe do feminismo abortista, antropóloga eugenista, dizia que os pobres “se reproduzem como coelhos e espalham seus genes podres pela sociedade”. Sua frase célebre dizia: “mais nascimentos entre os aptos e menos entre os não aptos”. Eugenista convicta, suas opiniões foram formadas após longo trabalho com mulheres pobres de periferia, mais ou menos como fez o doutor Drauzio. Suas afirmações ainda hoje causam asco, mas são repetidas por Drauzio Varella no horário nobre da televisão.

 

Inscreva-se em nossa Newsletter e receba novidades por e-mail.

 

11
Deixe um comentário

avatar
8000
4 Tópicos de comentários
7 Respostas em tópicos
10 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Comentário mais polêmico
10 Autores dos comentários
João das CouvesLucSNajaFranMarcelo Freitas Autores de comentários recentes
  Notifique-me  
newest oldest most voted
Notificar de
Enrico Souza
Visitante
Enrico Souza

Bela matéria e muito boa para desmistificar figuras que só trabalham para o lado obscuro da humanidade.

João das Couves
Visitante
João das Couves

Caramba, eu achava que a parte do título falando de pobres era exagero, mas aí fui ler o texto original… Que lixo humano é esse Dráuzio Varella.

davi martins
Visitante
davi martins

Não tem nada haver misturar a “barrigada” do jornalista Drauzio Varella, com as posições pessoais sobre controle de natalidade do Dr. Drauzio Varella. Essa sua “analise” foi alem da sua capacidade jovem Crsitian. Contenha-se.

Marcelo Freitas
Visitante
Marcelo Freitas

Pelo contrário, as posições pessoais do Doctor Varella são compatíveis com sua pretensa “barrigada”. Sua mentalidade desumana e arrogante são o tempero da sua hipocrisia.

Fran
Visitante
Fran

Acho que foi além da sua capacidade de compreensão, Davi. A “barrigada” do Dr. é consequência das posições pessoais dele, tem tudo a ver. Não é um fato isolado, não é uma “pisada na bola”.

Nanci dos Santos
Visitante
Nanci dos Santos

Deus me livre concordar com aborto, mais concordar com a esterilização obrigatório, ah isso eu concordo! Não vejo porque encher a terra de crianças que não terão um futuro melhor, uma oportunidade de subir na vida, e essas são as crianças pobres. Quando uma consegue dez ficam para trás. Eu concordaria se aqui no Brasil tivesse uma política de dois filhos por casal, na China era 1 filho por casal, aqui poderia ser 2, ter filhos para não poder criá-los bem é melhor não tê-los.

Olavete
Visitante
Olavete

TeuCu

Vinicus
Visitante
Vinicus

O texto serve para você

Fran
Visitante
Fran

Mas o texto traz exatamente o oposto de sua colocação, Nanci. Além disso, não tem nada de louvável em você abominar o aborto, mas concordar com esterilização forçada de pessoas, você tem ideia do que está dizendo? Quem é você ou quem é o Estado para decidir sobre os que têm o direito de nascer?

Naja
Visitante
Naja

Concordo com vc Nanci, é triste ver as crianças jogadas ou nas ruas vendendo balas é arriscando as próprias vidas. Meu coração fica partido de ver a desigualdade ums com tanto é crianças vivendo na miséria 😪

LucS
Visitante
LucS

Então, Nanci e Naja, como ALGUNS pobres são irresponsáveis, o correto, então, seria a “elite” pensante tomar decisões no lugar de TODOS os pobres???

Como ALGUNS pobres são irresponsáveis, a “elite” pensante teria que proibir TODOS os pobres de tomar suas decisões???

Como ALGUNS pobres são irresponsáveis, a “elite” pensante deveria tirar o poder decisório de TODOS os pobres e implantar uma ditadura/regime autoritário para enquadrar TODOS os pobres???

Essas ideias “dirigistas”, que humilham os pobres tratando-os com ENORME PRECONCEITO não são defendidas pelos progressistas que JURAM que amam os pobres e não possuem preconceitos???

A esquerda é o cúmulo da burrice…