Em 2016, Dilma convocou ato contra Impeachment já decidido pela Câmara

Na época, nenhum jornal levantou a possibilidade de a presidente estar atentando contra a democracia

1
Anúncio:

Em agosto de 2016, afastada por determinação da Câmara dos Deputados, a ex-presidente Dilma Rousseff publicou um vídeo em que convocava manifestações contra o processo de Impeachment que estava sendo julgado pelo Senado. Ela dizia ser possível “reverter esse jogo”. O vídeo ainda pode ser visto na página do Facebook da ex-presidente e foi noticiado pelo O Globo de maneira imparcial e sem alarde.

Ao contrário de agora, os jornais e a classe política daquele momento não esboçaram espanto quando a ex-presidente convocou os militantes petistas contra uma decisão já transitada pelo Congresso Nacional, em clara atitude de pressão contra o Senado, que acabou decidindo pelo impedimento.

Anúncio:

As palavras de Dilma são claras e na época não houve qualquer menção a ameaça à ordem democrática.

Eu vou pedir mais um esforço. Acho que nesse mês que falta até o momento do julgamento. Eu acho que seria muito importante a mobilização de todos, a dedicação de todos, porque nós podemos reverter esse jogo. E para reveter esse jogo faltam duas coisas. Falta esse sentimento que vem forte quendo ele vem das ruas e, é óbvio, a consciência dos nossos senadores.

O vídeo está sendo compartilhado nas redes sociais.

 

Inscreva-se em nossa Newsletter e receba novidades por e-mail.

 

1
Deixe um comentário

avatar
8000
1 Tópicos de comentários
0 Respostas em tópicos
1 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Comentário mais polêmico
1 Autores dos comentários
Sonia von Homrich Autores de comentários recentes
  Notifique-me  
newest oldest most voted
Notificar de
Sonia von Homrich
Visitante
Sonia von Homrich

A mídia marrom só se interessa em destruir reputações. Ficam os jornalistas sem desenvolver seu pensamento lógico já que o utilizam apenas para fins egoístas: destruir o PRESIDENTE e todos que o elegeram. A mídia convencional, marrom, nada mais é do que fake news. A melhor forma de lidar com ela é boicotá-la totalmente – eles devem ter outras fontes de financiamento não baseadas em consumidores, sobrevivem sem leitores e ouvintes. Prefiro seguir alguns jornalistas que julgo confiáveis. São poucos os independentes e verdadeiros, creia-me.