Coronavírus: vários turistas entraram na Argentina sem qualquer controle, informou jornal

Protocolo de controles começaram nesta terça-feira para passageiros vindos da Itália

0
Anúncio:

Diversos turistas argentinos voltaram da China sem qualquer controle ou inspeção durante o início da epidemia de coronavírus, informou o jornal La Nación no dia 18 de fevereiro. Por conta da denúncia, a oposição ao governo argentino cobrou providências. A preocupação é que, como os infectados podem ficar vários dias sem sintomas, o país comece a apresentar confirmações nos próximos dias.

Embora não haja nem um caso confirmado na Argentina, dois casos suspeitos estão em observação em Buenos Aires. O ministro da saúde argentino informou que não haveria motivos para modificar os procedimentos após a confirmação do primeiro caso brasileiro, nesta terça-feira, mas o alerta de passageiros vindos da Itália aumentou a preocupação, segundo o jornal El Cronista, que informa terem começado os controles somente nesta terça.

Anúncio:

O que causa preocupação com a demora nos controles argentinos é o alto fluxo de passageiros da Argentina para o Brasil, sem o devido controle nos aeroportos argentinos, o que pode preocupar especialmente a região Sul do Brasil, que nesta época do ano recebe grande quantidade de turistas argentinos.

Clique aqui e leia o informativo disponibilizado pelo Ministério da Saúde

Sem pânico

De acordo com informações cedidas pelo Ministério da Saúde, doenças cardiovasculares matam mais que o coronavírus.

Entre dezembro de 2019 a fevereiro de 2019, doenças cardiovasculares levaram mais de 1 milhão de pessoas a óbito, seguido de acidentes de carros que mataram 90.000. A Influenza (gripe) matou 38.000 e o coronavírus levou a óbito 2.700 pessoas em todo o mundo.

 

Casos provenientes da Itália

De acordo com um site espanhol “Cronista”, os controles sobre passageiros que chegam da Itália a Ezeiza começaram a ser implementados na terça-feira (25) para identificar possíveis casos do vírus em vôos da Itália, onde o número de infectados cresceu nos últimos dias para mais de 200 pessoas.

Cerca de 800 passageiros de dois vôos da Itália foram verificados na manhã da última terça-feira para determinar se apresentavam algum sintoma de coronavírus. No primeiro dia de controle de saúde fornecido pelo Ministério da Saúde, que mediu a temperatura de cerca de 400 pessoas sem registrar casos suspeitos, de acordo com fontes de aeroportos relatados.

Na manhã de terça-feira, a Direção Nacional de Saúde e Fronteiras montou uma operação para os dois vôos que chegaram de Roma: o AR1141 da Aerolineas Argentinas, que pousou a 5,03 com 270 passageiros a bordo; e o AZ680 da Alitalia, que tocou a pista às 8.05 com 382 passageiros.

Em nenhum dos casos, como as fontes indicaram à Télam, foi necessário localizar a aeronave nos postos remotos, de modo que o procedimento usual foi seguido com os passageiros saindo pelas respectivas mangas.

Os porta-vozes explicaram que trabalharam de acordo com o procedimento estabelecido durante as reuniões realizadas na segunda-feira em Ezeiza entre as autoridades de saúde e as várias agências que operam na estação aérea.

Já na manhã desta quarta-feira (26), o protocolo foi ativado em El Calafate por um turista. Uma mulher de 77 anos que integra um contingente de italianos que estavam no local e apresentou sintomas de gripe. Ela está em isolamento e se encontra em observação em El Calafate até que o resultado do teste a ser realizado em Buenos Aires seja conhecido. Uma primeira análise indica que não seria coronavírus.

Conforme noticiado pela mídia local Now Calafate, as autoridades de saúde locais ativaram o protocolo na terça-feira (25) antes da possibilidade de um turista italiano que visitar El Calafate ser afetado pelo coronavírus.

A notícia chegou ontem na área do Glaciar Perito Moreno, como a mulher, originária de Milão, mostrou alguns dias antes de alguns indícios de febre e tosse seca.

Por indicação do guia, o contingente formado por cerca de 14 pessoas (todas da Itália), a mulher de 77 anos foi atendida no Posto Sanitário localizado no estacionamento, onde o médico encarregado decidiu notificar o Hospital SAMIC, devido a presença de sintomas que podem ser compatíveis com a doença que preocupa a todos.

A mulher foi transportada de ambulância para o centro de saúde de El Calafate, com todas as medidas de segurança. Uma vez no SAMIC, ela foi submetida a um primeiro exame. Uma imunofluorescência que detectou que, em princípio, não seria o coronavírus, mas um adenovírus, que não é perigoso.

As amostras extraídas foram enviadas para o Instituto Malbrán, na cidade de Buenos Aires, onde é esperado o resultado final. A mulher foi observada em uma enfermaria individual do hospital e os profissionais tomam todas as medidas preventivas.

A senhora partiu no dia 13 de fevereiro de Milão, quando nada se sabia sobre a doença na Itália. Juntamente com o contingente, eles viajaram primeiro para o Brasil. Depois, para Iguazú, Buenos Aires, Trelew, Ushuaia e finalmente chegaram a El Calafate.

O controle

Assim que os aviões chegaram à sua posição nas mangas, o pessoal da Border Health promoveu a aeronave e coletou os formulários que o pessoal da companhia aérea havia entregue anteriormente, juntamente com um folheto com as recomendações no caso de apresentar qualquer Sintoma compatível com o vírus, onde os passageiros inseriram dados pessoais, local de residência e telefone.

Além disso, as autoridades de saúde contataram o comandante da aeronave e a tripulação para descobrir se um caso suspeito havia sido detectado ou se um passageiro havia manifestado algum tipo de inconveniência.

Posteriormente, os passageiros começaram a descer e controles aleatórios foram realizados com um dispositivo que mede a temperatura, e mesmo alguns pediram voluntariamente que fossem controlados mesmo que não apresentassem nenhum sintoma e nenhum caso suspeito fosse registrado.

Segundo as fontes, no momento esses tipos de controles são limitados a passageiros vindos da Itália, embora se previsse que, dada a disseminação do vírus para outros países, é provável que seja estendido a curto prazo a todos os vôos que chegam a Itália. Ezeiza, mesmo de países vizinhos onde nenhum caso foi declarado.

A fonte apontou que é uma questão de “responsabilidade pessoal”, porque cada passageiro sabe se está em um local arriscado, pois há alguns que chegam do Brasil, por exemplo, mas depois de já estarem em um país asiático onde O coronavírus é generalizado.

No entanto, o Border Health também realiza um controle, embora ainda não tão exaustivo, dos vôos de empresas como Qatar Airways, Emirates e Turkish Airlines, que, embora não tenham serviços diretos com a China ou outros países asiáticos, se tiverem escala em Doha, Dubai e Istambul, respectivamente.

Enquanto isso, fontes da Aerolineas Argentinas disseram à Télam que o protocolo que eles seguem em vôos da Itália é que o comandante notifica os passageiros de que eles receberão um formulário para preencher e espera-se que eles recebam um controle ao sair do avião.

Algo semelhante acontece com os voos da Alitalia, mas, neste caso, os passageiros são avisados da situação assim que embarcam na aeronave em Roma.