Candidato democrata Joe Biden diz que 150 milhões de americanos morreram por violência armada desde 2007

1
Ethan Miller/Getty Images
Anúncio:

Ontem, durante o debate das primárias, no estado da Carolina do Sul, o candidato Jor Biden disse que “150 milhões de americanos morreram desde 2007 porque os fabricantes de armas não podem ser processados.”

Quase todos os candidatos do Partido Democrata à presidência professam proibições variadas e regulações na venda e porte de armas nos Estados Unidos. Há uma grande guerra de narrativas – democratas não tomam a liberdade de portar armas como um bom sinal, ao passo que os republicanos lutam diariamente para que esta liberdade prevaleça, tal como é prescrita na Segunda Emenda da Constituição Americana, onde o direito de porte civil de armas é previsto.

Anúncio:

O Breitbart informou que:

“Joe Biden fez alusão à Lei de Proteção ao Comércio Legal de Armas, cuja passagem protegia os fabricantes de armas de ações judiciais em cenários em que a arma em questão era fabricada e vendida legalmente. Ele igualou essa proteção à ‘imunidade absoluta’, dizendo que ‘causou carnificina em nossas ruas. 150 milhões de pessoas foram mortas desde 2007, quando [Bernie Sanders] votou para isentar os fabricantes de armas de responsabilidade.”

E completou contestando a afirmação do candidato Biden:

“O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) lista o número de mortes americanas em 2008 no total de 2.471.984, em 2009 no total de 2.437.163 e em 2010 no total de 2.468.435. As principais causas foram doenças cardíacas, câncer, problemas respiratórios e acidentes. Em 2017, os números foram muito semelhantes, com um total de mortos em pouco mais de 2.800.000.”

Na véspera do debate, falando a um evento de apoiadores, Joe Biden disse que “eu tenho novidades para vocês, fabricantes de armas. Estou indo e vou derrubá-los.”