Regina Duarte - Foto Reprodução
Anúncio:

A nova secretária especial da Cultura, Regina Duarte, pretende nomear para a Funarte o produtor Humberto Braga, que já trabalhou na pasta durante governo FHC e Temer. Recentemente, ele participou de uma reunião junto com o deputado Marcelo Freixo e Jandira Feghali, em repúdio às políticas culturais do governo Bolsonaro.

Segundo jornais, “Braga tem boas relações com a esquerda e com petistas”, sendo, por isso, visto como “pacificador”, mesmo sendo o produtor ligado à oposição radical ao governo.

Anúncio:

Humberto Braga foi um dos participantes de um evento promovido pela Associação de Produtores de Teatro, ocorrido no dia 18 de janeiro, com claro tom anti-Bolsonaro, com a presença dos deputados Marcelo Freixo (PSOL-RJ) e Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

Nas redes sociais, o texto que convida ao evento, assinado por Eduardo Braga, apresenta a reunião com o seguinte objetivo: barrar as tentativas de controle da arte, de autoritarismo, fascismo e agora, até, nazismo”, em referência ao episódio que derrubou o então secretário Roberto Alvim.

Funcionários do Governo que trabalham desde que Humberto era presidente da Funarte se referem a ele como bastante alinhado à esquerda e à classe artística mais politizada.

Um vídeo crítico a ele circula nas redes sociais. Intitulado “O infiltrado”, o vídeo associa o produtor teatral ao período mais sombrio da cultura brasileira, lembrando dos financiamentos públicos a exposições “lúdicas” de caráter bizarro.

Braga foi presidente da Funarte em 2016, durante presidência de Michel Temer. Mas também trabalhou no órgão entre 1994 a 2000, durante os governos de Fernando Henrique Cardoso. Antes disso, chegou a trabalhar no antigo Ministério da Educação e Cultura no período militar.

Em junho de 2019, Humberto Braga foi chamado a falar na Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados, onde falou sobre a necessidade de “ter muito claro as especificidades das diversas linguagens artísticas”. Durante sua gestão na Funarte, fez declarações de que priorizaria a produção profissional da arte, sem deixar de lado as reivindicações dos movimentos sociais.

Cultura de volta às mãos da esquerda

O atual presidente da Funarte, Dante Mantovani, foi duramente atacado pela imprensa logo após sua nomeação. Mantovani foi nomeado pelo então secretário Roberto Alvim, cuja queda precipitou uma campanha contra a imagem de membros do governo. A escolha de Regina Duarte parece ter buscado resgatar a imagem do governo frente aos jornais, o que explicaria a substituição de Mantovani por um nome amado pela esquerda.

Na prática, se ocorrer a nomeação, significa a devolução da área cultural às mãos da esquerda que a dominou por décadas, em troca de uma possível (mas não provável) trégua nas críticas vindas da classe artística.