Trump declara 22 de janeiro o Dia Nacional da Santidade da Vida Humana

2
Foto: Mark Wilson/Getty Images.
Anúncio:

ERRAMOS(23.01): Na verdade, Trump apenas reafirmou o compromisso de defesa da vida no Dia Nacional da Santidade da Vida Humana. Quem realmente criou a data foi Ronald Reagan, em 1984, conforme registro do site Regan Library. Nossa matéria tomou como base as informações do site CNA Agency, que diz que o Trump “declarou”, este ano, o National Sanctity of Human Life Day.


Em Washington o Presidente Donald Trump declarou o dia 22 de janeiro como o Dia Nacional da Santidade da Vida Humana. O dia 22 de janeiro é a data de aniversário da decisão Roe versus Wade, que em 1973 foi legalizado o aborto nos Estados Unidos por meio da uma decisão da Suprema Corte, baseada em um pedido de uma mulher que teria supostamente sido estuprada, mas posteriormente confessou que mentiu no caso.

Anúncio:

O pronunciamento de Trump foi feito no dia 21/01, véspera do início da Marcha pela Vida nos EUA, evento que vai de 22/01 até o dia 24/01/2020.

O presidente Trump comemorou o fato dos EUA estarem registrando os menores níveis de abortos provocados desde a legalização do aborto, redução que se deve a leis restritivas de acesso ao aborto, mas que enfrentam furiosa oposição dos defensores da legalização do aborto. Trump não se referiu aos problemas técnicos de sub-notificação de abortos legais nos EUA. O número de abortos nos EUA é provavelmente maior do que o registrado nos relatórios, mas ninguém nega que o lobby pró-aborto e a indústria do aborto estão em queda diante do crescimento dos movimentos pró-vidas e da clareza de grande parte da  sociedade sobre a importância de defender a vida humana nas suas mais variadas formas e estágios de desenvolvimento.

Trump ressaltou que apesar dessas conquistas muito mais precisa ser feito, reafirmou assim, seu compromisso de continuar lutando para proteger as vidas dos não-nascidos.

Disse Donald Trump:

“No Dia Nacional da Santidade da Vida Humana, nossa nação reafirma com orgulho e firmeza nosso compromisso de proteger o presente precioso da vida em todas as etapas, desde a concepção até a morte natural”, escreveu Trump na proclamação.

“Toda pessoa – nascidos e não nascidos, pobres, abatidos, deficientes, enfermos e idosos – tem valor intrínseco. Embora cada jornada seja diferente, nenhuma vida é sem valor ou é irrelevante; os direitos de todas as pessoas devem ser defendidos ”, acrescentou o presidente.


Informações: CNA

 

Inscreva-se em nossa Newsletter e receba novidades por e-mail.

 

2
Deixe um comentário

avatar
8000
2 Tópicos de comentários
0 Respostas em tópicos
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Comentário mais polêmico
2 Autores dos comentários
Caio Faria da FonsecaJoão Zanatta Autores de comentários recentes
  Notifique-me  
newest oldest most voted
Notificar de
João Zanatta
Visitante
João Zanatta

A cultura da morte é o prenúncio do fim da humanidade. É o castigo da natureza.

Caio Faria da Fonseca
Visitante
Caio Faria da Fonseca

Foi Ronald Reagan que criou a data, não o Trump:

“Now, Therefore, I, Ronald Reagan, President of the United States of America, do hereby proclaim Sunday, January 22, 1984, as National Sanctity of Human Life Day. I call upon the citizens of this blessed land to gather on that day in homes and places of worship to give thanks for the gift of life, and to reaffirm our commitment to the dignity of every human being and the sanctity of each human life.”

https://www.reaganlibrary.gov/research/speeches/11384c