Perfil liga Eduardo Fauzi a grupo de extrema-esquerda inspirado em ideólogo russo

9
Reprodução
Anúncio:

Livros de Alexander Dugin, Alcorão, Olavo de Carvalho, entre outros objetos encontrados sob a mesa do principal suspeito do atentado ao Porta dos Fundos, podem ligá-lo a uma corrente neofascista aliada à extrema-esquerda e inserir uma nova corrente política no jogo midiático contra o presidente Jair Bolsonaro. No dia 17 de dezembro, antecipei a relação entre os grupos neofascistas e a extrema-esquerda, sob as bênçãos de Dugin.

A relação entre extrema-esquerda e grupos neofascistas já foi tema, aqui no site, há algumas semanas. Mas um perfil no Twitter de pseudônimo L0renThales, que logo foi excluído, relacionou o suspeito do atentado ao eurasianismo e ao grupo Nova Resistência, seguidor do ideólogo russo, fazendo apontamentos que merecem atenção e podem ajudar a elucidar a complexa trama por trás do esquisitíssimo atentado contra o Porta dos Fundos.

Anúncio:

O pseudônimo aponta como principal suspeita de estar por trás dos atentados, a organização Nova Resistência, que defende a Quarta Teoria Política, do ideólogo russo. O objetivo do atentado e das supostas descobertas da política seria a inserção do grupo no debate político, como força participante da “frente anti-Bolsonaro”, engrossando as fileiras dos inimigos do governo.

Como relaciona o pseudônimo, o aparentemente paradoxal “integralismo monarquista” do vídeo do grupo que reivindicou a autoria do atentado, não é assim tão paradoxal para quem conhece as teses de Alexander Dugin e seus asseclas. Criador da Quarta Teoria Política, Dugin propõe a união entre extrema-esquerda e extrema-direita contra o globalismo ocidental, liberal, que seria comandado pelos Estados Unidos. Ele defende um “mundo multipolar” em oposição ao multiculturalismo, e propõe o apoio a todas as correntes que encarnem (ou digam encarnar) as tradições ancestrais dos povos. Para Dugin, as três grandes correntes, liberalismo, fascismo (nazismo) e socialismo tiveram as suas contribuições, mas agora é a vez de um “crossover”, uma quarta teoria.

Eduardo Fauzi era membro da Frente Integralista Brasileira do Rio de Janeiro, além de ter se filiado ao PSL, em 2001. Dizendo-se “exilado na Rússia”, Fauzi teve relações pouco claras com o movimento extremista Black Bloc, que teve como integrante o brasileiro Rafael Lusfavghi, um ex-policial brasileiro que chegou a integrar as FARC e depois fugiu para a Ucrânia, onde aderiu à guerrilha pró-Rússia.

Blogs de esquerda apoiadores dos Black Bloc como o “Nova Democracia”, em 2013, classificavam Fauzi como um militante de esquerda. O suspeito que está foragido, viajou diversas vezes à Rússia, como atestam também pessoas próximas dele. Quando Fauzi foi detido por agressão contra o secretário Alex Costa, no Rio, foi efusivamente defendido pela militante de extrema-esquerda, “Sininho”, ligada ao PSOL e aos Black Bloc.

Mas as viagens de Fauzi à Rússia têm também um outro motivo.

Segundo fonte próxima, Fauzi é dançarino, especializado em Zouk, dança que se tornou popular no Leste Europeu, onde pagam bem por apresentações, além de representar uma chance de se encontrarem com mulheres russas. Estaria aí uma das explicações para suas constantes viagens à região, que inclui passagens pela República Tcheca? Certamente essa é apenas uma das explicações. Mas a dança parece não ter sido suficiente para afastar Fauzi do extremismo. Após ser declarado foragido, ele publicou um vídeo em que fala como se fosse um pastor. Um jeito bem diferente, segundo diz a fonte próxima, do seu jeito pessoal de ser, bem mais “malandro”.

Integralismo, Nova Resistência e a extrema-esquerda

Já em novembro de 2018, quando Bolsonaro já era o presidente eleito, o ideólogo Alexander Dugin conclamou grupos que o apoiam no Brasil para criar uma “frente anti-Bolsonaro”. O manifesto foi publicado no site do grupo Nova Resistência. Dessa forma, compreende-se um objetivo dialético em vincular Bolsonaro, sua base conservadora (a partir de Olavo de Carvalho) e, ao mesmo tempo, ativar os discursos neofascistas para aproveitarem-se da onda conservadora para agirem contra ela mesma.

A ligação com o Integralismo, de base nacionalista, teve a intenção de ativar o discurso da esquerda e atrair a militância contra um espantalho politicamente irrelevante. A inclusão dos integralistas atrairia certamente a atenção da imprensa de esquerda para incluir o fato à narrativa marxista, coisa iniciada com as matérias sobre o integralismo que “coincidentemente” surgiram pouco antes do atentado.

O pseudônimo do Twitter lembra ainda um fato intrigante: o livro de Olavo de Carvalho foi encontrado entre os pertences de Fauzi apenas um dia após um repórter tentar vincular Olavo com o atentado. Outro fato é a identidade de Fauzi, a única a ser “descoberta”, entregue para haver a vinculação ideológica e obter o efeito desejado: inserir o neofascismo de inspiração russa como novo “player” no espectro político brasileiro, embora sua atuação não tenha nada de nova.

Os autores de tão complexa trama são os mesmos de sempre: todos os grupos que dispõem dos meios de ação para uma megaoperação midiática, sem excluir aí os próprios líderes da produtora atingida.

Na matéria publicada no EN no dia 17 de dezembro, intitulada Jornais desenterram Integralismo para atacar governo, mas neofascistas reencontram-se na esquerda, antecipei uma relação que foi considerada exagerada e gratuita entre o Integralismo, o grupo Nova Resistência, seguidores de Dugin, e até partidos de esquerda.

Após a publicação da matéria, o presidente da Frente Integralista Brasileira (FIB), Victor Emmanuel Vilela Barbuy (que aparece numa foto ao lado do próprio Dugin numa palestra que deu no Brasil), entrou em contato comigo para esclarecer a sua postura crítica à Quarta Teoria Política, de Dugin, e o antagonismo existente entre integralistas e membros da Nova Resistência, que são assumidos seguidores do russo. Após lançada a suspeita sobre Eduardo Fauzi, que era nada menos que presidente da Frente Integralista, no Rio de Janeiro, a FIB o “demitiu” do honroso cargo.

Justamente pelo anacronismo de suas propostas, o Integralismo vem se tornando rótulo útil tanto aos grupos neofascistas quanto à esquerda. A proposta fixada nas décadas de 30, em imitação caricata dos “galinhas verdes” do tempo de Getúlio, oferece perfeitas condições para a rotulagem pejorativa, além de um ambiente perfeito à proliferação de novas roupagens que se ocultam por trás de bandeiras e símbolos fetichistas.

Em breve novidades.