Nova série da Disney destaca criança transgênero de 12 anos

14
Disney/Marvel
Anúncio:

A série é a nova produção da Marvel (subsidiária da Disney) e chama-se “Projeto Herói”, contando histórias de pessoas que fazem a diferença em suas comunidades, escreveu o Breitbart.

No episódio “Poderosa Rebekah”, o Projeto Herói apresenta Rebekah Bruesehoff, um menino de doze anos que reside em New Jersey e que começou o processo de mudança de sexo aos oito.

Bruesehoff nasceu com o sexo biológico masculino, mas passou a se identificar como menina e, com o apoio dos pais, começou a transição de sexo logo cedo

Anúncio:

O Breitbart informou que “o episódio segue o caminho de Bruesehoff em direção ao ativismo, que começou na época em que o grupo Garden State Equality começou a agitar por diretrizes estaduais sobre crianças transgêneros nas escolas. Também revela que Bruesehoff é ativa como cantora em sua igreja cristã, onde seu pai é pastor.”

Abaixo o clipe onde Bruesehoff conta sua experiência:

https://www.youtube.com/watch?time_continue=40&v=t_ikhtr8AL0&feature=emb_logo

Durante o vídeo é possível ver o entuasiasmo de Bruesehoff em sua transformação. Aparecendo sempre sob o apoio da mãe, logo no início do clipe, dando o contorno do ativismo para a causa transgênero, a criança diz que “eu e minha mãe defendemos… defendemos, sim…”

Noutro momento, Bruesehoff fala, em cima do palco e sob aplausos, sobre sua experiência: “Eu sou uma menina transgênero. Estou vivendo o meu verdadeiro eu desde os oito anos de idade… E agora eu tenho dez.”

A mãe de Bruesehoff, Jamie, expressando todo o apoio ao filho, disse que “todas essas pessoas ficaram impressionadas com a bravura dela e com a clareza de ‘isso é quem eu sou…’”

Bruesehoff disse ao periódico The Advocate que seu ativismo em favor da causa LGBTQ inclui o apoio ao projeto de lei 1335 de New Jersey, que obriga o ensino de história LGBTQ em escolas públicas.

“Sinto que é realmente importante que todas as crianças aprendam sobre as pessoas LGBTQ e como elas podem impactar nosso mundo e nossa história”, explicou Bruesehoff.