Feminista afirma que sociedade deve aceitar pedofilia

12
Anúncio:

Entidades cristãs e movimentos conservadores vêm alertando para o crescimento do movimento pró-pedofilia há anos. Os progressistas estão caminhando com esta pauta de forma tímida, mas já está tomando forma.
Em um passado não muito distante, o pedófilo era considerado um monstro que precisava ser combatido. Hoje é considerado um doente que precisa de tratamento. De acordo com Mirjam, estudante de medicina, a pedofilia é uma orientação sexual que precisa ser abraçada e compreendida.

Com o intuito de dessensibilizar a sociedade frente ao ato repugnante, movimentos progressistas se empenham em ludibriar a população para que desenvolvam empatia e compaixão pelo agressor de crianças.

Anúncio:

Mirjam Heine é estudante de medicina e ministrou uma curta palestra na Universidade de Würtzberg (Alemanha), no projeto Tedx Talk, onde o tema era “por que nossa percepção da pedofilia tem que mudar”, segundo informa o site “Gospel Mais”.

Mirjam apresentou a pedofilia como algo normal, sendo uma “orientação sexual imutável” e frisando que a sociedade “deveria aceitar mais os pedófilos”.

Em suas ponderações, a estudante se mostrou preocupada com o isolamento social que o agressor é impelido e a solidão vivenciada por ele.

A futura médica (que eu espero que não exerça a pediatria), afirmou:

“Estudos científicos indicam que um dos mais fortes preditores de abuso sexual infantil cometido por pedófilos é o isolamento social. Não devemos aumentar o sofrimento dos pedófilos, excluindo-os, culpando-os e ridicularizando-os. Ao fazer isso, aumentamos o isolamento deles e aumentamos a chance de abuso sexual infantil”.

PEDOFILIA

A pedofilia é, dentro todas as parafilias, uma das mais praticadas e perturbadoras. Caracteriza-se, pela preferência em realizar, ativamente ou na fantasia, práticas sexuais com crianças, desde a mais tenra idade à pré-adolescência. Adultos com atração sexual por adolescentes é classificado como efebofilia.

A pedofilia pode incluir apenas jogos sexuais com a criança, masturbação ou relação sexual completa. A criança é geralmente ameaçada para que se mantenha o silêncio e as agressões tendem a ser continuas, trazendo consequências emocionais, muitas vezes irreversíveis, levando a criança a desenvolver algum tipo de psicopatologia, como por exemplo, transtorno de múltiplas personalidades, transtorno de ansiedade, síndrome de pânico, bem como parafilias, como fetichismo e sadomasoquismo.

TIPOS DE PERFIS DO PEDÓFILO:

Quando a fantasia passa para a esfera de ação real e ilícita, o pedófilo é classificado em dois tipos ABUSADORES E MOLESTADORES (SERAFIM et al, 2009).

1) PEDÓFILOS ABUSADORES: Caracterizam-se por atitudes mais sutis e discretas no abuso sexual, como carícias, visto que a vítima geralmente não se vê como violentada. Tipo mais comum é o imaturo. Ele descobre que pode obter com crianças níveis de satisfação sexual que não consegue alcançar de outra maneira. Solitário e fantasiosos. Tende a se envolver com pornografia infantil, pela internet ou utilizando fotografias diferentes de molestadores.

2) PEDÓFILOS MOLESTADORES: São invasivos, menos discretos e geralmente consumam o ato sexual contra a criança. Este tipo ainda pode ser dividido em dois grupos: Molestadores situacionais e preferenciais.

2.1) Molestador Situacional: (pseudopedófilo): Esse tipo de molestador frequentemente e casado e vive com a família, mas, se alguma situação de estresse acontece, ele e levado a sentir-se mais confortável com crianças. Na maioria das vezes ataca meninas. Se a preferência for por meninos, e provável que, nesse caso, o agressor seja homossexual. A maioria dos agressores desse tipo pertence às classes socioeconômicas mais baixas e menos inteligentes. Seu comportamento sexual está a serviço das suas necessidades básicas sexuais (excitação e desejo) ou não sexuais (poder e raiva). São oportunistas e impulsivos, focalizam as características gerais da vítima (idade, raça, gênero) e os primeiros critérios para a escolha dela são a disponibilidade e a oportunidade. Entre os molestadores de criança situacionais existem três perfis diferentes de indivíduos: o regredido, o inescrupuloso e o inadequado. (SERAFIM et al, 2009).

2.1.1) Molestador Situacional Regredido: Regride a estágios anteriores do desenvolvimento e para se sentir-se seguro e à vontade, passa a se relacionar com pessoas tão fragilizadas quanto ele. Isso não inclui somente crianças, inclui idosos, deficientes físicos ou mentais. Tem prazer imenso em seduzir, pois isso eleva sua autoestima. A internet é um meio de buscar suas vítimas, cujo comportamento sexual é composto de sexo oral e vaginal. Frequentemente coleciona filmes caseiros e/ou fotografias de crianças que foram suas vítimas (SERAFIM et al, 2009).

2.1.2) Molestador Situacional Inescrupuloso: Este agressor abusa de quem está disponível para satisfazer suas necessidades, e crianças faz parte deste contexto, porém não é sua prioridade. O incesto é comum, pois não mede consequências para satisfazer seus desejos. Indivíduo que mente, trapaceia, usa força de manipulação e sedução. Charmoso, considerado agradável por pessoas e crianças a sua volta (SERAFIM et al, 2009).

2.1.3) Molestador Situacional Inadequado: Pode sofrer de algum tipo de transtorno mental (retardo mental), ou seja, o que o impossibilita de distinguir o certo do errado em suas práticas sexuais. Em geral não é agressivo, suas práticas envolvem abraçar, beijar, acariciar, lamber e outros atos libidinosos que raramente incluem a relação em si (SERAFIM et al, 2009).

2.2) Molestador Preferencial: A gratificação sexual só é alcançada se a vítima for uma criança. Geralmente pertencem às classes sócias mais altas. Alguns colocam em prática com crianças as fantasias que têm vergonha de realizar com adultos. Ataca mais meninos que meninas. Característica marcante é a violência extrema, chegando até ao homicídio. Ele pode ser do tipo Sedutor, sádico e introvertido (SERAFIM et al, 2009).

2.2.1) Molestador Preferencial Sedutor: Geralmente corteja, presenteia, seduz muito seu alvo. Considera muito perigoso, pois é capaz de qualquer coisa para conseguir seu alvo. Ele não quer machucar a criança, então ele incentiva-a gradativamente a manter relações sexuais com ele, mostrando fotografias, filmes eróticos, até chegar ao ato sexual em si. Normalmente é solteiro, acima dos 30 anos, estilo de vida e comportamento infantilizados (SERAFIM et al, 2009).

2.2.2) Molestador Preferencial Sádico: Pretende molestar crianças com expresso desejo de machucá-las. Seu excitamento é diretamente proporcional à violência que pode causar, levando até a morte.  Crime premeditado e ritualizado. Maioria é do sexo masculino, antissocial, muda de cidade e empregos frequentemente, antecedente criminal como assalto ou ato violento é comum. Meninos são suas principais vítimas, pois prefere sexo anal. Machuca de forma fatal, até pratica o canibalismo. Castração, brutalização de genitálias fazem partes de suas mutilações (SERAFIM et al, 2009).

2.2.3) Molestador Preferencial introvertido: Prefere crianças, mas não tem habilidades para seduzi-las. Mantém mínima comunicação verbal com elas. Sua área de ação envolve parques infantis ou áreas em que tenham aglomerados de crianças onde observa e/ou tem breves encontros sexuais. Telefonemas obscenos e exibicionismos são práticas comuns. Geralmente utiliza-se de prostituição infantil, turismo sexual, internet, ou se em casa com a mãe das crianças que deseja ter acesso (SERAFIM et al, 2009).

A VÍTIMA

As consequências emocionais causadas pelo abuso acompanham a vítima por toda a sua vida, algumas de forma mais amenizada, outras, outras mais intensificadas.
Segundo informações do site “A mente é maravilhosa”, as consequências do abuso sexual na infância variam de um caso para o outro. Elas dependem de muitos fatores:

  • A idade que a criança tinha quando o abuso ocorreu.
  • Quem é o abusador ou o agressor (sempre é mais grave quando a criança é abusada pelo pai ou pela mãe).
  • As características da situação (grau de intimidação e/ou violência ou sedução).
  • A duração do abuso.
  • As características psicológicas da vítima.
  • A forma como a situação foi “resolvida”.
  • Em quase todos os casos foi detectada a presença de consequências a curto e longo prazo.

Consequências a curto prazo

A curto prazo, o mais provável é que a consequência do abuso sexual sejam regressões a uma idade anterior: a criança pode voltar a chupar o dedo ou perder o controle dos esfíncteres, por exemplo.

Também é comum que a criança se torne ansiosa e depressiva. Muito frequentemente seu rendimento escolar cai e ela pode se mostrar isolada e antissocial. Da mesma forma, pode se tornar sedutora, sexualmente precoce ou desenvolver vícios e comportamentos suicidas.

Consequências a longo prazo 

As consequências do abuso sexual na infância a longo prazo dependem da gravidade do abuso e do apoio terapêutico que a criança ou o adulto tenham recebido. O mais provável é que surjam dificuldades para dormir ou pesadelos frequentes, além de tendência à depressão e baixa autoestima.

As maiores dificuldades serão refletidas na vida sexual e amorosa. Pessoas que sofreram abuso podem apresentar fobias sexuais ou uma incompreensível tendência a estabelecer relações amorosas altamente insatisfatórias.

Nos casos mais graves, as consequências do abuso sexual incluem grande predisposição a desenvolver esquizofrenia, praticar tentativas de suicídio ou apresentar comportamentos promíscuos altamente perigosos.
Quem foi vítima de abuso sexual na infância, deve necessariamente ser tratado por um psicólogo ou um psicanalista para conseguir reduzir as consequências desse fato. Quanto mais cedo melhor.

O que diz o Código Penal:

Art. 217-A do CP – estupro de vulnerável; art. 218 do CP – mediação de menor de 14 anos para satisfazer a lascívia de outrem;

Art. 218-A do CP – satisfação da lascívia mediante a presença de menor de 14 anos;

218-B do CP – favorecimento da prostituição ou outra forma de exploração sexual de criança, adolescente ou vulnerável.

O ECA também trata de crimes envolvendo a pedofilia:

Art. 240 do ECA – utilização de criança ou adolescente em cena de sexo explícito ou pornográfica;

Art. 241 do ECA – comércio de material pedófilo;

Art. 241-A do ECA – difusão de pedofilia;

Art. 241-B do ECA – posse de material pedófilo;

Art. 241-C do ECA – simulacro de pedofilia;

Art. 241-D do ECA – aliciamento de crianças.

O art. 241-E do ECA trata-se de norma explicativa dos crimes previstos no art. 240, art. 241, art. 241-A a art. 241-D do ECA.

Art. 241-E. Para efeito dos crimes previstos nesta Lei, a expressão “cena de sexo explícito ou pornográfica” compreende qualquer situação que envolva criança ou adolescente em atividades sexuais explícitas, reais ou simuladas, ou exibição dos órgãos genitais de uma criança ou adolescente para fins primordialmente sexuais.

 

Inscreva-se em nossa Newsletter e receba novidades por e-mail.