Globalistas acusam Bolsonaro de “crimes contra a humanidade”

4
Anúncio:

Duas ONGs denunciaram o presidente Jair Bolsonaro no Tribunal Penal Internacional (TPI), com sede em Haia, na Holanda, por “incitar o genocídio e promover ataques sistemáticos contra os povos indígenas”, devido a declarações e medidas de governo. As ONGs são o “Coletivo de Advocacia em Direitos Humanos” (CADHu) e a Comissão Arns.

Nos últimos anos, quase quatro milhões de dólares foram transferidos por fundações globalistas, Ford e Open Society, ao Fundo Brasil de Direitos Humanos, que é a mantenedora do CADHu.

Anúncio:

Segundo site do Fundo Brasil de Direitos Humanos, o CADHu é um projeto de litigância estratégica em que o Fundo destinou, apenas em 2014, para 12 meses de projeto, 73,7 mil reais. Informações de outros anos não estão disponíveis no site do Fundo. O projeto CADHu é apenas uma dentre as diversas iniciativas que o Fundo Brasil de Direitos Humanos desenvolve na linha de direitos humanos com foco em impactar políticas públicas e o cenário político brasileiro.

Os sites das fundações interenacionais comprovam as doações ao Fundo Brasil de Direitos Humanos. Entre 2014 e 2018 foram 3,78 milhões de dólares oriundos da Fundação Ford. A fundação Open Society, do magnata George Soros, doou em 2015 uma quantia de 50 mil dólares, sob justificativa de viabilizar atividade em “jornalismo e direitos humanos”. O Fundo Brasil distribui os recursos para diversos projetos locais.

Segundo o site da Veja, a denúncia das ONGs contra Bolsonaro no tribunal internacional alegam que o Presidente “incitou violações e violência contra populações indígenas e tradicionais, enfraqueceu instituições de controle e fiscalização, demitiu pesquisadores laureados de órgãos de pesquisa e foi flagrantemente omisso na resposta aos crimes ambientais na Amazônia, entre outras ações que alçaram a situação a um ponto de alerta mundial”.

O CADHu também figurou em notícias recentes opondo-se ao pedido do governador João Dória (PSDB-SP), para recolhimento de apostilas com conteúdo sexualizante e de ideologia de gênero para o 8ª ano da rede estadual.

A ação das ONGs mostra-se alinhadas aos objetivos das fundações internacionais globalistas em recorrer a autoridades internacionais com objetivo de atender a interesses políticos locais.

 

Inscreva-se em nossa Newsletter e receba novidades por e-mail.