Rica em minério, Alter do Chão tem cerca de 250 ONGs e fundações Ford e Bill Gates

19
Divulgação
Anúncio:

Em setembro deste ano, os incêndios florestais tiveram ampla cobertura da mídia, inclusive internacional, que buscou responsabilizar o Governo brasileiro pelo ocorrido. Na ocasião, o presidente Jair Bolsonaro chegou a ventilar suspeitas sobre as muitas ONGs que atuam na região. Nesta semana, uma operação policial confirmou a informação e começou a prender membros de ONGs suspeitas de envolvimento com os incêndios. A região, que é rica em minérios, tem hoje pelo menos 250 ONGs e movimentos sociais em atividade, muitos ligados a entidades estrangeiras.

De acordo com matéria da Folha de S. Paulo, a ONG “Brigada de Alter do Chão”, suspeita de envolvimento nos incêndios de Santarém e alvo de operação policial, integra a “Rede Folha de Empreendedorismo Socioambiental” pela qual chegou a ser até premiada. Segundo os integrantes da ONG, entrevistados pela Folha, “é uma ação política para tentar desmoralizar as ONGs que atuam na Amazônia”. Na verdade, é forte a suspeita de que a atuação dessas ONGs envolve interesses internacionais sobre o território brasileiro e seus minérios.

Anúncio:

A corrida de especulações imobiliárias em uma vila de cerca de 5 mil habitantes, denunciada pelas ONGs, é explicada pela riqueza do seu solo. A Fundação Ford, Bill e Melinda Gates, além da WWF, são algumas das entidades internacionais que vêm atuando para a compra de territórios nacionais protegidos, segundo fontes da região.

Em 2010, o Príncipe Charles esteve pessoalmente na afastada região, contou um médico que atende na região. O príncipe comanda a ONG internacional WWF, atuante em Alter do Chão, junto de outras centenas de ONGs. Mas as preocupações ambientais e com populações ribeirinhas são nada mais que uma fachada para um interesse na compra de áreas de preservação, diz um advogado da região.

De acordo com recente comunicado da ONG WWF-Brasil, o grupo “possui contrato de Parceria Técnico-Financeira com o Instituto Aquífero Alter do Chão para a viabilização da compra de equipamentos para as atividades de combate a incêndios florestais pela Brigada de Alter do Chão, em Santarém/PA, no valor de R$ 70.654,36”.

Segundo moradores e profissionais que atuam na localidade, a ação dessas ONGs barra o desenvolvimento da região, que é rica em minério e recursos naturais, mas com uma população pobre, refém de ativistas e grupos internacionais.

História de interesses internacionais

O interesse pelas zonas afastadas da Amazônia remonta a décadas, quando o empresário e filantropo Henry Ford fundou, em 1927, uma cidade no interior do Pará, batizando-a de Fordlandia, uma espécie de utopia industrial que acabou naufragando, não sem antes levar todo o ouro da região. Ele ganhou a concessão do governo brasileiro para a exploração de uma área de 800 mil hectares, nas quais plantaria seringueiras e construiria a cidade.

A cidade, hoje esquecida e abandonada, fica bem perto de Santarém e representou a promessa de uma cidade em estilo americano no interior da Amazônia. Junto das seringueiras, porém, estava prevista uma grande exploração de madeira e minérios, conforme previsto no acordo com o governo da época.