Entidade judaica defende Olavo de Carvalho contra acusações do Intercept

10

O advogado e presidente da Associação Sionista Brasil-Israel (ASBI), Félix Soibelman, publicou um longo texto em defesa do filósofo Olavo de Carvalho, que foi acusado de antissemita pelo site de extrema-esquerda Intercept, do jornalista e ativista  Glenn Greenwald. Soibelman precisou recorrer ao contexto óbvio do livro Os EUA e a Nova Ordem Mundial, do qual os blogueiros João Carlos Magalhães e Bruno Sousa, autores do texto, retiraram trechos que pareciam criticar judeus. Na verdade, tratava-se da crítica ao globalismo.

Já no início do texto do Intercept, os autores admitem que estão forçando a barra: “Ligar Olavo de Carvalho ao antissemitismo pode soar estranho. Afinal, ele já se colocou como um crítico feroz da perseguição ao povo judaico, um devoto fervoroso da tradição judaico-cristã e um defensor intransigente de Israel – cujo atual governo é um dos principais aliados do Brasil de Bolsonaro.

Em seguida, porém, propõem uma nova interpretação do que seja antissemitismo, abrindo o leque para um expediente que vem sendo adotado pela mídia mainstream na defesa dos seus patrões globalistas. Dizem os blogueiros do Intercept: “Mas alguns de seus textos propagam típicas ideias antissemitas”. Como “típicas ideias”, os blogueiros de extrema-esquerda mais lidos pela Folha de São Paulo, consideram a crítica aos globalistas que, por coincidência, tenham ascendência judaica.

Olavo de Carvalho se manifestou nas redes sociais contra a acusação, que além de descontextualizar os seus textos, tenta imputar o crime que Olavo mais denunciou em sua carreira, como eles próprios não conseguem fugir de admitir. “Se nascer de família judaica bastasse para fazer de alguém um verdadeiro judeu, falar contra renegados e traidores como Spinoza, Karl Marx, Leon Trotski, George Soros e Noam Chomski seria mesmo anti-semitismo”, disse Olavo em seu perfil no Facebook.

Leia abaixo o texto de Felix Soibelman:

Da página da ASBI – Associação Sionista Brasil-Israel:

EM DEFESA DE OLAVO DE CARVALHO CONTRA AS ACUSAÇÕES DO INTERCEPT DE SER ELE ANTISSEMITA
Quando até para a desonestidade intelectual falta alfabetização funcional
1. Pequeno prólogo sobre quem são o Intercept e Gleen Greenwald.
O Intercept é um veículo que se projetou nacionalmente mediante o denuncismo vago, querendo implantar uma suspeição sobre Moro, Dalagnol e todo o MPF à guisa de mensagens do Telegran supostamente trocadas entre estes, servindo à esquerda para pleitear a nulidade dos processos diante da parcialidade judicante que seria, repetindo, apenas supostamente comprovada no teor das mensagens.
Não obstante, nenhuma gravação ou arquivo não editável foi entregue pelo Intercept às autoridades para serem periciados, havendo presunção de sua autenticidade apenas por parte de Gilmar Mendes, em conjeturas que quando feitas no mesmo grau contra ele ocasionam processos judiciais do citado Ministro contra os “supositores”.
As mensagens foram transcritas com adulteração comprovada pela diferença entre uma e outra transcrição do próprio veículo, como por exemplo aquela na qual aparece primeiramente o nome de Ângelo Goulart Villela, que depois foi “corrigido” para “Ângelo Augusto Costa” e finalmente Ângelo. Todo advogado, como eu, sabe que as transcrições de texto de documentos são, quando não postas no texto como imagem, transcritas literalmente justamente para que sua fidedignidade não seja colocada em questão, de modo que até mesmo os erros redacionais e ortográficos em Acórdãos são reproduzidos em nossas petições.
A Polícia Federal tem caminhado no sentido de apurar recepção de altas somas pelos hackers, uma ex-candidata da esquerda teve seu nome envolvido, ainda que não de forma completamente comprometedora e as mensagens, mesmo que fossem comprovadamente verdadeiras, não teriam o condão de induzir em absoluto a suspeição, nada havendo que mostrasse orientação de Moro à acusação e constando, de permeio, provas que teriam sido solicitadas por Moro em caso no qual justamente absolveu o acusado.
Um dos casos mais aberrantes de contradição vergonhosa foi ver Breno Altman, o petista engajado, sustentar a parcialidade Moro depois de ter sido absolvido por ele.
Um grande alvoroço foi formado no derredor de fatos sem densidade alguma quando a simples conversa entre advogados, MP e juízes é o mais corriqueiro. No Anuário da Justiça, publicado pela revista Consultor Jurídico com lançamento no saguão do STF, e assessoria de imprensa prestada pelo mesmo grupo econômico a grandes grifes advocatícias, entre algumas daquelas que defendem os maiores réus da Lava a Jato, há uma seção somente com as notas dos escritórios sobre como os ministros do STF recebem os advogados…
Todo o enredo foi montado como um dos tantos golpes que vem recebendo o combate à corrupção, porém com a marca peculiar de que dessa vez o golpe foi desferido pela esquerda que antes arrogava a si a oposição a um sistema penal urdido para condenar apenas pobres.
Finalizando este prólogo, Gleen Greenwald foi um dos que publicaram inicialmente as revelações de Edward Snowden sobre o aparato de espionagem nortemericana, e seu atual companheiro, David Miranda, suplente de Jean Willys, fez campanha a favor do ex-agente da CIA.
Logo, o Intercept é um jornal de esquerda, ora voltado à desconstrução da transparência sob as vestes de quem pretensamente quer proporcioná-la, devido a que por ela seus preferidos ficaram desnudados em sua corrupção.
É justamente neste sentido que agora ataca Olavo, tentando quebrar o elo entre ele e os judeus, e por conseguinte, criar a falsa ideia de Bolsonaro, o presidente brasileiro mais amigo de Israel que já existiu, tem em sua retaguarda um antissemita.
AS ACUSAÇÕES DO INTERCEPT
2. A eleição de Bolsonaro e a comunidade judaica.
Olavo de Carvalho, possibilitando a ascensão de Bolsonaro, criou a contrapartida do marxismo cultural que obrou por décadas na formação do mainstream da sociedade brasileira.
Toda a esquerda teve a sua falta de inteligência descortinada ao pretender denominar Bolsonaro como tosco, demonstrando-se assim que aqueles que se empenharam nesta imagem, confundindo elaboração conceitual com atino para a realidade, julgavam-se mais capazes, fracassaram tão redondamente que a vergonha pelo seu intelecto impotente a fez insistir, recalcitrante, na fórmula malograda, no lugar de abandoná-la.
Logo, inúmeras tentativas de situar o fenômeno Bolsonaro como resultado das falhas estratégicas de Lula foram tentadas, simplificações querendo fazer supor despreparo intelectual da entourage do presidente foram empreendidas, etc., recusando-se a esquerda a ver que Bolsonaro, mais que um personagem, era a condensação de perspectivas históricas com lastros em pensadores conservadores tão numerosos e profundos quanto aqueles que ela, esquerda, deifica.
Entre estes pensadores está o professor Olavo, que a todo momento é chamado de “astrólogo”, terraplanista, etc., quando qualquer pessoa minimamente estudada poder constatar que sua vasta obra possui temas nitidamente classificados dentre aqueles que e inserem na disciplina filosófica.
No entanto, o alvo do Intercept é agora a relação de Olavo com judeus, aproveitando o momento em que o poder em Israel está dividido e indefinido, com a saída da direita do poder. Tão logo Netanyahu se enfraqueceu, a própria CONIB (confederação Israelita brasileira) já colocou de volta para fora seus ferrões fabianos, convidando Ministros do STF e membros do PSDB como Serra para uma palestra, exalando uma inodora afirmação de que tem lado, ou seja, que “se posiciona ao lado da democracia”. Isto de pois de o presidente Bolsonaro ter visitado Israel e feito o Brasil votar a favor de Israel quando o PSDB no poder nunca o fez!
A CONIB, numa atitude verdadeiramente traidora, comprovou exatamente aquilo do que nós, da ASBI, sempre a acusamos: de não ter representatividade e não a coragem de posicionar-se contra a esquerda dentro da qual voga o maior antissemitismo da atualidade. Pior ainda, julgando entrever um enfraquecimento do governo de Bolsonaro, deu-lhe as costas precipitadamente, para nossa vergonha, como judeus.
Na ocasião das eleições presidenciais provocamos um estremecimento dentro da comunidade judaica ao defenestrar a ideia de que a esquerda seria credora moral dos judeus pelo padecimento do Holocausto e por todas as perseguições havidas, de modo que seria natural que judeus devessem ser de esquerda por serem vítimas o nazismo.
Esta ideia de polarização do bem e da virtude pela esquerda, fruto desse marxismo cultural, contra a direita pintada de forma semanticamente escamoteada como fascista, estava tão arraigada que os judeus tinham vergonha de se assumirem como direita. Logo, provocamos estupor sendo chamados pela mídia para esclarecê-lo, com entrevista minha ao El País, etc.
A CONIB silenciou, e próprio cônsul israelense igualmente o fez, sendo por muito tempo nós os únicos judeus que professaram abertamente o apoio ao então candidato Bolsonaro. Tivemos repercussão de nossos posts por seus filhos em suas mídias sociais e por ele mesmo, conforme ainda comprovam vídeos que temos em nossa página. Após a vitória de Bolsonaro, repentinamente, muitos “novos amigos” da comunidade que antes figuravam entre os que o atacavam ou evitavam-no, concorreram a sua presença para a bajulação oficial e oficiosa.
Agora, pari passu com a desarticulação da Lava a Jato mediante os golpes que lhe foram desferidos por todos os lados, os boicotes reiterados às iniciativas do presidente, os abutres de sempre enxergam uma oportunidade de regressar ao mundo dos vivos, e assim ensaiam retomar a céu aberto o seu expediente desconstrucionista, desejando, uma vez mais transformar a derrota em vitória.
Este é o plano de fundo no qual se plasma, como peça essencial da engrenagem, o ataque ora vertido contra o professor Olavo de Carvalho, sobre o qual passamos a falar a seguir.
3. O contexto do debate
O Intercept extraiu textos do debate denominado como “O PAPEL DOS ESTADOS UNIDOS NA NOVA ORDEM MUNDIAL” levado a cabo entre Olavo e Aleksandr Dugin, tratando de como seria o novo xadrez político mundial diante do que vinha se chamando “Nova ordem”.
Dugin é o criador da Quarta Teoria Política, que seria aquela que superaria o liberalismo, o marxismo/comunismo e o fascismo. Neste cenário pintado por Dugin dar-se-ia lugar a uma multipolaridade pela qual os EUA deixariam de ser hegemônicos, emergindo grandes blocos civilizacionais, como o bloco atlantista protagonizado pelos EUA e o eurasiano (Russia e Asia Central) e os espaços abertos entre seles.
Dugin aglutina tradicionalismo e bolchevismo, e os grupos da dissidência que o seguem são um apanhado do underground na maior parte antagônicos entre si, pelo que a tal superação das três teorias políticas se dá apenas por um núcleo compartilhado de coletivismo utópico que abriga desde neonazistas, fascistas, evolianos, guenonianos, trozskistas, stalinistas, marxistas, xiitas, soralianos, heideggeriajnos, islamitas membros de tariqas em geral e um sem número de pequenos microcoletivos que fora disto são inconciliáveis.
Todos, nessa louca rosa dos ventos sentem-se representados por Dugin numa miscelânea de multipolaridade e teologia política que faz difícil a sua definição.
O texto mais pirotécnico, com tons de um verdadeiro Heidegger da embromação política, pode ser apresentado como de Dugin sem que o mais escolado entre seus leitores saiba dizer se é sua a autoria ou não, dado que nada é estranho saindo daquele novelo de ideias aclamadoras de tudo e nada mesmo tempo, com os matizes mais fanfarrões.
Emblemáticos sobre o pensamento de Dugin são suas frases delirantes como a de que “a Coréia do Norte é uma ilha de resistência da humanidade” e suas noções, encontradiças inclusive no debate, sobre individualismo como fonte da decadência ocidental em contrapartida ao coletivismo russo e oriental.
Dugin saca da cartola um Guenon mal digerido tencionando a existência de um espírito coletivista como se no plano sócio-político de todo o Oriente estivesse refletida a transcendência que centraliza a matriz cultural-religiosa.
O que vemos mui bem, assim observando também Olavo, é que este coletivismo nunca passou de pura massificação que esmaga as pessoas sob a vontade de um tirano prenhe dos vícios antes atribuídos aos indivíduos. É o coletivismo suposto na psique coletiva dos povos orientais do mesmo modo que o proto-nazista Spengler o supôs no povo alemão ao falar do chamado socialismo germânico.
Em verdade esta oposição Ocidente-Oriente posta como individualismo-coletivismo é de um infantilismo imperdoável num pensador que no lugar de mirar a realidade da natureza humana ordinária quer rotular bilhões de pessoas (todo o Oriente e a Rússia) como se uma herança cultural transcendental fosse garantia de estados transindividuais.
Estes delírios duguinianos são, no entanto, compartilhados por marxistas que igualmente supunham a possibilidade de ajustes sistêmicos para tornar o homem fraterno, e não a transcendência individualmente trilhada. Esta é a razão pela qual cada vez mais os grupos dissidentes e a esquerda se aproximam.
Neste contexto, ao falar de judeus Olavo separou alguns pontos, passando a respondê-los, e o que fez o Intercept foi retirá-los de contexto ou cortando a resposta, como veremos a seguir.
4. A capitulação de Olavo como antissemita.
Palavras de Dugin:
“Do ponto de vista de sua truculência, o terno amor do Prof. Carvalho pelo sionismo é bem tocante. A inconsistência de sua visão encontra aqui seu apogeu. Eu não tenho nada contra Israel, mas a crueldade na repressão aos palestinos é evidente.”
Resposta de Olavo de Carvalho
“O Prof. Dugin tenta ser irônico mas só consegue ser ridículo. Como os foguetes que os palestinos jogam praticamente todos os dias em áreas não militares de Israel nunca são noticiados na grande mídia internacional, mas qualquer investida de Israel contra instalações militares palestinas provoca sempre o maior alarde em todo o mundo, ele, que deveria ser uma inteligência imune à mídia ocidental mas é na verdade um escravo dela (como o é do pósmodernismo), pretende que eu julgue tudo segundo as únicas fontes de informação que ele conhece ou admite, as quais para ele são a voz de Deus. Você quer mesmo me impressionar com esse chavão jornalístico bobo, Prof. Dugin? Eu conheço os fatos, meu amigo. Eu conheço a dose de violência de parte a parte. Eu sei, por exemplo, que os israelenses nunca usam escudos humanos, os palestinos quase sempre. Eu sei que em Israel os muçulmanos têm direitos civis e são protegidos pela polícia, enquanto nos países sob domínio islâmico os não muçulmanos são tratados como cães e, com freqüência, mortos a pedradas. O número de cristãos assassinados nos países islâmicos sobe a várias dezenas de milhares por ano. Eu não li nada disso no New York Times. Eu vi com meus próprios olhos os documentários que a grande mídia esconde. Eu não vivo num mundo de faz-de-conta”.
Comentários meus: Logo, nesta primeira parte que o Intercept OMITE DESPUDORADAMENTE, vemos uma defesa fragorosa do Estado de Israel por parte de Olavo, mostrando como Dugin é malsão, apresentando apenas uma parte dos fatos e querendo pintar um quadro vitimista de palestinos. É esse o homem, Olavo, que profere estas palavras, que o Intercept quer denominar como inimigo dos judeus?
Palavras de Dugin
“Em Israel há tradicionalistas e modernistas, forças antiglobalistas e representantes da elite global. “
Resposta de Olavo de Carvalho
“Ah, é? Quer dizer que Israel é uma democracia onde todas as correntes de opinião têm direito à liberdade de expressão? Agora me diga: que destino têm os cristãos e os amigos da América nos territórios dominados pelos seus queridos anti-imperialistas, esquerdistas e eurasianos?”
Comentários meus: Olavo fez uma ironia como se o professor Dugin fosse um idiota, diante do seu enunciado “ludicamente capcioso”, de modo que tivesse de ser esclarecido de que numa democracia existe de tudo, inclusive pessoas como ele, Dugin (que para mim não passa de um agente da nova internacional fascista). Semelha muito alguns débeis mentais dissidentes que conheço, verdadeiras bestas quadradas, que querem exemplificar Israel por haver ali parada gay, como se com isto se confundisse o Estado de Israel e não fosse suportado por todas as democracias. Mas Olavo lhe retorna bem o golpe a perguntar sobre como é nos países dominados pelos esquerdistas e anti-americanos, como há no Islã. Não é preciso nem responder porque já sabemos como em Gaza se arrastam dissidentes com motocicletas pelas ruas, enfim, o que sucede em todas as ditaduras islâmicas do amado coletivismo oriental de Dugin, e de todo o esquerdismo hipócrita do qual faz parte o Intercept em seu fingido apreço pela democracia.
Palavras de Dugin:
“Judeus (3) O fronte antiglobalista é formado pelos grupos religiosos antiamericanos, anti-liberais e anti-unipolares e pelos círculos da esquerda anti-capitalista e anti-imperialista. Eles podem ser bons, quer dizer, “eurasianos” e “orientais”. Mas o Estado judeu em si mesmo não é algo “tradicional”. Como um todo, é uma entidade capitalista moderna e atlantista e um aliado do imperialismo americano. Israel já foi diferente em outros tempos e poderá ser diferente no futuro. Mas no presente está bem do outro lado da batalha. Além disso, as teorias da conspiração (Consórcio, etc.) incluem quase sempre banqueiros judeus no coração da elite globalista ou da conspiração mundial. Permanece um mistério o porquê de o Prof. Carvalho modernizar a teoria da conspiração excluindo os judeus da versão principal.”
A resposta de Olavo, abaixo, é aquela extraída pelo Intercept, que ainda a dividiu em blocos para prejudicar-lhe mais ainda o sentido, e omitiu o que veio depois:
“A presença de banqueiros judeus nos altos círculos do Consórcio é a coisa mais óbvia do mundo, como também a de militantes judeus na elite revolucionária que instaurou o bolchevismo na Rússia. Também é óbvio e patente que esses dois grupos de judeus colaboraram entre si para a desgraça do mundo. Continuaram colaborando até mesmo na época em que Stálin desencadeou a perseguição geral aos judeus e a sua querida KGB começou a devolver a Hitler os refugiados judeus que vinham da Alemanha. A colaboração dura até hoje. O barão Rothschild, por exemplo, é dono do Le Monde, o jornal mais esquerdista e anti-israelense da grande mídia européia, assim como a família judia Sulzberger é dona do diário americano que mais mente contra Israel. O Sr. George Soros, judeu que ajudou os nazistas a tomar as propriedades de outros judeus, financia tudo quanto é movimento anti-americano e antiisraelense do mundo. Outro dia, uma comissão de judeus americanos, subsidiada por ONGs bilionárias e impressionada ante o assassinato brutal de uma família judia por um terrorista palestino, viajou para fazer uma visita de solidariedade… a quem? Aos parentes dos mortos? Não. À mãe do assassino! São esses os judeus dos quais você fala, fazendo de conta que eles são a expressão mais genuína e pura do judaísmo universal. Se eles o fossem, eu seria anti-semita. Quem são esses judeus que você menciona? São aqueles que Nosso Senhor denominou Sinagoga de Satanás e definiu como “os que dizem que são judeus, mas não o são”. São pessoas que, como os membros da famigerada Comissão Judaica do Partido Comunista da URSS, se prevalecem da sua origem étnica para permanecer infiltrados na comunidade que os gerou e mais facilmente poder traí-la, entregá-la a seus carrascos, levá-la ao matadouro.138 São esses a quem você serve, ao julgar as vítimas pelos assassinos.”
Comentários: Olavo simplesmente atesta que entre os judeus existiram tanto financistas como líderes comunistas, que há judeus canalhas como há pusilânimes em todos os povos (e assim classifico os atuais judeus de esquerda que amam Bernie Sanders e outros), mas faz a ressalva explícita ao claramente antissemita imbecil Dugin de que “São esses os judeus dos quais você fala, fazendo de conta que eles são a expressão mais genuína e pura do judaísmo universal”. Ou seja, ele aponta diretamente na cara de Dugin que a constatação de que entre os judeus há tudo isto não tem a consequência, como Dugin quer insinuar, de que todos os judeus e o judaísmo sejam isto, num típico antissemitismo pautado pela falácia da composição, pela qual se julga o conjunto partir de alguns elementos,
Entendeu, repórter do Intercept? Eu pergunto se entendeu porque penso que talvez não seja pura desonestidade intelectual o que lhe move, mas um a verdadeiro analfabetismo funcional que secunda tal ânimo de desonestidade. É que até para ser intelectualmente desonesto, necessário é um pouco de inteligência, sendo uma verdadeira vergonha que um jornal que quis influenciar o destino do Brasil com as possíveis falsidades das mensagens divulgadas sobre Moro e Dalagnol tenha uma pessoa tão incapaz de entender um texto como o autor do artigo.
O redator desse artigo ainda faz como todo primário jornalista que pensa que vai contribuir muito mostrando erros pontuais sobre fatos, que o dono do Le Monde não é Rotschild, que a tal organização citada por Olavo não é x, etc. É que o jornalista desconhece que antes de ser jornalista investigativo dever ser jornalista pensativo!
E agora leiamos a terceira resposta de Olavo, que, é claro, por motivos óbvios de uma imprensa que se revela não séria, foi omitida:
“ Minha posição quanto ao Estado de Israel é muito simples e estritamente pessoal. Não tem nada a ver com atlantismo versus eurasismo. Não pretendo impô-la a quem quer que seja. Em primeiro lugar, a mim me parece que, após todo o sofrimento que os judeus passaram na Alemanha, na Rússia e um pouco por toda parte na Europa, seria pura desumanidade negar-lhes uma fatia de terra onde pudessem viver em paz e segurança entre os seus. Tenho orgulho de que um brasileiro – o grande Oswaldo Aranha – presidisse a Assembléia Geral da ONU quando se criou o Estado de Israel. Pouco importa, nisso, o teor da política que viesse a ser adotada pelos israelenses na sua nação recém-estabelecida. Mesmo que decidissem fazer ali uma ditadura comunista, isso não seria motivo para tomar-lhes a terra e espalhá-los numa nova Diáspora. Em segundo lugar: como católico, acredito que os judeus terão uma missão providencial a cumprir nos últimos tempos, e que portanto é dever dos cristãos protegê-los ou, no mínimo, salvá-los da extinção quando ameaçados. A bula do Papa Gregório X (1271-1276), que, incorporando sentenças de seus antecessores Inocêncio III e Inocêncio IV, proíbe lançar falsas acusações contra os judeus e ordena que os fiéis os deixem viver em paz, tem sido uma constante inspiração para mim.”
Comentários: Prezado repórter, você tem vergonha nessa cara? A pergunta é direta e sincera, como você não foi com Olavo, ao costurar tamanha teia de inverdades que sinalizam bem a índole do seu jornal que quis fazer o mesmo com Moro e Dalagnol e que só encontrou eco nos inimigos da moralização do país. Como é que você fala que Olavo é antissemita mas esconde este texto, que vinha em seguida ao mesmo texto que você cita, no qual o filósofo declara o direito dos judeus de terem sua terra, que os cristãos têm por dever proteger os judeus e que sente “orgulho de que um brasileiro – o grande Oswaldo Aranha – presidisse a Assembléia Geral da ONU quando se criou o Estado de Israel”?
O repórter, ainda saca o seguinte texto da obra de Olavo “O Jardim das Aflições, concluindo que por isto Olavo está responsabilizando o sionismo pela apatia judaica no Holocausto:
“É de espantar que, nessas condições, o movimento para a implantação de um Estado leigo judeu logo perdesse toda conexão com as tradições religiosas e passasse mesmo a ser chefiado por pessoas de origem judaica contrárias ao judaísmo? Ou que esse movimento, ao expandir-se, acabasse por fortalecer entre os judeus do Ocidente inteiro um espírito de mundanismo e “modernismo” que já os vinha contaminando gradativamente desde a Revolução [norte-americana], e que, dissolvendo os laços da solidariedade milenar que havia defendido a comunidade judaica contra toda sorte de perseguições, deixou o povo judeu inerme e sonso ante o avanço da ameaça nazista, só para ter de socorrê-lo às pressas ex post facto com o auxílio do dinheiro norte-americano?”
No último texto antes deste, que, como dito, foi omitido acintosamente pelo jornal, Olavo afirma que “mesmo que decidissem fazer ali uma ditadura comunista, isso não seria motivo para tomar-lhes a terra e espalhá-los numa nova Diáspora”, logo, mostrando que nem o mais abjeto laicismo o demoveria do apoio aos judeus, colocando por terra a pretensão de classificar Olavo como um inimigo do sionismo. Não obstante, o autor da matéria, desentendendo este último texto de Olavo, afirma ser inverdade que o sionismo, ao se desconectar da religião tenha desarmado o povo judeu contra o Holocausto. É o único momento do texto em que o jornalista parece querer exercer uma mínima capacidade raciocínio, já que não se trata, como nos textos anteriores, de simplesmente omitir, deformar ou canalizar o que está sendo lido, mas de simples incompreensão e falta de lastro cultural, como a seguir mostramos.
Olavo, assim com muitos pensadores conservadores, têm por certo um fundamento metafisico religioso realista no sentido platônico, a saber, existente por si mesmo na estrutura da realidade que as religiões fazem contemplar, de modo que se os judeus estivessem fixados na verdade de sua religião e não se laicizado, seu retorno a Israel poderia ter sido muito antes que a tragédia se abatesse sobre o povo judeu, para só aí tomar consciência da simbiose eterna entre Geo e Téo em sua religião (a terra de Israel e sua natureza divina como centro material e espiritual a um só tempo, para onde se conduz a epopeia judaica). Porém, para um jornalzinho marrom de esquerda, parece que os fundamentos materialistas da história são pressupostos tão fora de questão que a invocação da religião como matriz metafísica das civilizações e a história como movimento da transcendência através dos tempos lhe parecem coisas alucinantes para serem tomadas em conta, de modo que um povo jamais poderia fortalecer sua identidade na religião e assim guiar-se a um destino superior, do qual, quando se desgarra, perde sua redenção.
Para entender isto acima seria necessário mais do que alfabetização funcional, isto é, demandaria alguma leitura, o que, para fuçadores de Telegran, que mal conseguem transcrever textos de conversas fidedignamente e nem sabem o que é constituir um prova, seria exigir demais.
Este presente texto ilustrando a desonestidade do Intercept quando acusa antissemitismo em Olavo, vem em bom momento nestes tempos em que Gilmar Mendes está ávido para que o julgamento sobre a suspeição de Moro seja pautada, pois, à luz do que aqui se expõe, temos boa ilustração sobre o caráter caviloso das publicações do jornal, que, decididamente, não podem gozar da presunção de confiabilidade de uma imprensa séria, mormente em se tratando do elenco probatório que possa constar nos autos de um processo de importância capital como este na Suprema Corte brasileira.
Félix Soibelman
Advogado
Presidente da ASBI

10
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
7 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors
Almanakut BrasilBrunoV. A. CustodioFelipeZk'Alff Recent comment authors
  Subscribe  
Notify of
Zk'Alff
Visitante
Zk'Alff

” Nenhum indivíduo ou coletividade está abaixo ou ACIMA da crítica ! Portanto criticar a tribo dos ‘ + iguais ‘ ou Qquer D. seus integrantes PODE ser perfeitamente razoável se houver motivos ou fundamentos e razoabilidade por parte D. quem critica ….. Por exemplo : Sionistas ou seus simpatizantes ” !!!!!!!!!!

Zk'Alff
Visitante
Zk'Alff

” O assim chamado Estado Judeu é o único Estado onde o antissemitismo é permitido e praticado contra Palestinos – um Povo tb e indubitavelmente Semítico ! Há por lá +D. 50 leis antissemitas vigentes contra os Palestinos ….. Q. coisa ; né ” ?????

V. A. Custodio
Visitante
V. A. Custodio

Nunca existiu Palestina e nem povo palestino, isso é invenção de Arafat para fomentar as guerras santas do Islão e justificar o terrorismo praticado contra Israel!

Zk'Alff
Visitante
Zk'Alff

” /0\ ” !!!!!!!!!!

Zk'Alff
Visitante
Zk'Alff

” No 4º Parágrafos se pode ler : ‘ Mandato Britânico na PALESTINA ‘ ! Pode explicar esta ‘PALESTINA’ (1933) ….. ” ????? https://br.noticias.yahoo.com/assinatura-livro-visitas-esclarece-ida-chefe-nazista-jerusal%C3%A9m-163529967.html

Bruno
Visitante
Bruno

Se o governo britânico acredita em mula sem cabeça não é problema nosso.
Aliás, o prefeito de Londres é muçulmano, deve acreditar no Muhamed também.

Zk'Alff
Visitante
Zk'Alff

” Isto foi há + D 85 anos ….. História ! Contextualize as coisas ” !!!!!!!!!!

Zk'Alff
Visitante
Zk'Alff

” Observe bem : está publicado (ainda !) no ‘YDISHAHOO’ ….. ” /0\ !!!!!!!!!!

Felipe
Visitante
Felipe

Entidade ou um único sujeito?

Almanakut Brasil
Visitante
Almanakut Brasil

O Brasil não pode esquecer esses PEÇONHENTOS, e nem perder a oportunidade para esquentar esses “verdes-rabos” sem dó e nem piedade.