Deputado defende a Polícia e acaba acusado de racismo

5
Anúncio:

Diógenes Freire

O deputado federal, Daniel Silveira (PSL), criticou a exposição de uma placa nos corredores da Câmara que sugeria o assassinato de um homem negro por um policial. A imagem foi exposta com autorização do presidente da casa, Rodrigo Maia e também recebeu críticas do deputado Coronel Tadeu (PSL), que também acabou sendo chamado de racista na imprensa.

Anúncio:

O deputado federal, Daniel Silveira (PSL-RJ), fez uso da palavra no Plenário da Câmara nesta terça-feira (19) para criticar a exibição de uma placa ilustrada com uma charge onde um homem negro aparece algemado e caído ao chão enquanto um policial caminha para longe do corpo com uma arma na mão. A imagem que sugere o assassinado do homem negro pelo policial ainda traz um texto sob o título: “O genocídio da população negra”.

A placa foi exposta por parlamentares da extrema esquerda nos corredores da Câmara às vésperas do dia da consciência negra. A exposição do material foi autorizada pelo presidente da casa, Rodrigo Maia.

O discurso do deputado, Daniel Silveira, criticou o uso do termo ‘genocídio’ por se tratar de uma palavra que designa o extermínio deliberado de uma comunidade e, por tanto, acusa a polícia de cometer tal crime contra os negros.

Eu tive o prazer e o desprazer de operar em todas as favelas do Rio de Janeiro. Tem mais negros com arma, tem mais negro cometendo crime, mais negros confrontado a polícia, mais negros morrem”, pontuou o parlamentar enfatizando que falava com conhecimento de causa por também ser um policial militar.

Confira o discurso do parlamentar

https://www.facebook.com/dep.danielsilveira/videos/783559532093000/?t=189

Em seguida, o portal UOL publicou uma matéria do jornalista Guilherme Mazieiro classificando o discurso de “racista”. No título, a matéria traz uma frase do deputado alterada e retirada do contexto.

Diversos outros meio de comunicação reagiram classificando a fala do deputado como “fala racista”.