Elogiado pelo PSOL, Carlos Moisés (PSL) se opõe a projeto “escola sem drogas”

18

O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL), vem se tornando símbolo da dissidência da ala fisiológica da política, a chamada “velha política” que se infiltrou no poder seguindo o oportunismo gerado pela “onda Bolsonaro” das eleições de 2018. Elogiado pelo PSOL e comunidade LGBT, o governador do estado mais bolsonarista do Brasil considerou “perseguição a professores” a proposta de exame toxicológico para docentes da rede estadual, da deputada Ana Campagnolo (PSL).

O governador que vem se tornando querido por setores da extrema-esquerda, ambientalistas radicais e universitários, opôs-se ao projeto apelidado de “Escola sem drogas”, que propunha o exame toxicológico a professores do estado. Na verdade, Moisés acusou o projeto de “perseguir uma categoria”, e sugeriu que os testes fossem exigidos também por todos os funcionários públicos. Uma maneira sutil de impugnar a proposta.

Após o arquivamento da proposta, houve questionamentos técnicos feitos pela deputada, com poucas respostas do Governo do Estado. De acordo com o gabinete de Campagnolo, dos 9 pedidos de informação feitos, 5 não foram sequer respondidos e de 57 indicações, apenas 17 receberam resposta.

A deputada Ana Campagnolo (PSL), em seu perfil no Facebook, esclareceu que a proposta foi “formulada para atender uma demanda comum à milhares de pais que desejam se precaver da possibilidade de serem obrigados a entregar a educação de seus filhos aos cuidados de agentes estatais que tenhas hábitos e percepções divergentes aos valores que aplicam em suas casas”. Ela lembrou ainda que a medida já é adotada na contratação de agentes das forças de segurança.

Em entrevista ao jornal NSC, o governador afirmou sobre o projeto:

Eu disse que achava ótimo, desde que todos os deputados e servidores públicos fizessem. E aí fui acusado de não apoiá-lo. Era uma perseguição contra uma categoria.

Ele acusa o projeto de “querer protagonismo entre um grupo minoritário que ofende os professores”.

Campagnolo diz que aceitaria a ampliação da proposta, mas o governador parece ter usado a sugestão apenas para impugnar o projeto original, sem outros argumentos, acusando a deputada de não aceitar a sua sugestão.

“A única ‘contribuição’ do Executivo [de SC] foi assinalar oficialmente o seu parecer contrário; além de fingir não saber que o projeto de lei é específico aos professores porque a profissão do magistério tem legislação específica em nosso Estado, tentando, com esse papo, emplacar a narrativa esquerdista de que a obrigatoriedade do exame toxicológico representa uma ‘perseguição à classe profissional'”, diz Campagnolo.

A deputada salienta ainda que, este é um “argumento que só faria sentido se partíssemos de um pressuposto onde todos os professores, e não apenas uma parcela minoritária de inaptos, fossem usuários de drogas”.

Governador dissidente da direita aproxima-se cada vez mais da esquerda

Depois de perseguir deputados da base governista que se alinhavam a Bolsonaro, o governador dissidente da direita classificou de “extremismos” as posturas fieis à onda que o elegeu e faz frequentes críticas aos filhos do presidente. Um deles, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) disse textualmente o que pensa do governador: “Ele está se juntando ao PT, ao PSOL”.

Considerado traidor pela imensa maioria que votou por causa de Bolsonaro, Moisés já foi destaque da revista Carta Capital, que o elogia porque “contraria o agronegócio e se aproxima das minorias”. A matéria resume bem a trajetória do neófito da política: “não foram raras as fotos em que imitava uma arma com os dedos – e a agenda moralista de Jair Bolsonaro. Deu certo”.

Moisés brigou nas eleições para ser considerado o “candidato de Bolsonaro”, motivo que o fez saltar para o segundo turno e vencer as eleições mesmo sendo ilustre desconhecido na cena política catarinense. Em seu primeiro cargo político, o comandante dos bombeiros começou seu mandato renovando um acordo entre o estado catarinense e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, da Agenda 2030, projeto globalista de administração mundial da ONU. A denúncia da renovação do pacto, feita pelo Estudos Nacionais, teve reação do próprio governador, que pelo Twitter, classificou o site de “fake news”. Para comprovar a sua acusação, livrou-se das provas, mandando excluir a página que noticiava a assinatura do pacto, conforme cobrimos na ocasião.

18
Deixe um comentário

avatar
12 Comment threads
6 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
16 Comment authors
Decio WillJefferson C. H.Airton José dos SantosAdtoJosé Arawashi Recent comment authors
  Subscribe  
Notify of
Jefferson C. H.
Visitante
Jefferson C. H.

Parabéns governador….de acordo com a reportagem o Sr. “contraria o agronegócio e se aproxima das minorias”… louvável, lutar contra um sistema que entope nossos recursos hídricos de veneno por aqueles que só visam lucro e olhar pelas minorias, por mim condiz com a idéia de um bem maior para todos…

Decio Will
Visitante
Decio Will

Carlos Moisés não é nem direita, esquerda ou centro e sim um TREMENDO BABACA em que o cargo de governador caiu no colo dele na onda BOLSONARO e até hoje não caiu a ficha. Agora finalmente admitiu o que os Catarinenses já sabiam É UM MARIONETE DO PMDB de SC de Paulo Afonso, Cacildo, Pinho Moreira e toda a trupe. Como Governador talvez tenha sido um bom Bombeiro ….. Talvez. Mais dizem as más línguas que sempre foi um idiota…..um zero a esquerda.