Elogiado pelo PSOL, Carlos Moisés (PSL) se opõe a projeto “escola sem drogas”

18

O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL), vem se tornando símbolo da dissidência da ala fisiológica da política, a chamada “velha política” que se infiltrou no poder seguindo o oportunismo gerado pela “onda Bolsonaro” das eleições de 2018. Elogiado pelo PSOL e comunidade LGBT, o governador do estado mais bolsonarista do Brasil considerou “perseguição a professores” a proposta de exame toxicológico para docentes da rede estadual, da deputada Ana Campagnolo (PSL).

O governador que vem se tornando querido por setores da extrema-esquerda, ambientalistas radicais e universitários, opôs-se ao projeto apelidado de “Escola sem drogas”, que propunha o exame toxicológico a professores do estado. Na verdade, Moisés acusou o projeto de “perseguir uma categoria”, e sugeriu que os testes fossem exigidos também por todos os funcionários públicos. Uma maneira sutil de impugnar a proposta.

Após o arquivamento da proposta, houve questionamentos técnicos feitos pela deputada, com poucas respostas do Governo do Estado. De acordo com o gabinete de Campagnolo, dos 9 pedidos de informação feitos, 5 não foram sequer respondidos e de 57 indicações, apenas 17 receberam resposta.

A deputada Ana Campagnolo (PSL), em seu perfil no Facebook, esclareceu que a proposta foi “formulada para atender uma demanda comum à milhares de pais que desejam se precaver da possibilidade de serem obrigados a entregar a educação de seus filhos aos cuidados de agentes estatais que tenhas hábitos e percepções divergentes aos valores que aplicam em suas casas”. Ela lembrou ainda que a medida já é adotada na contratação de agentes das forças de segurança.

Em entrevista ao jornal NSC, o governador afirmou sobre o projeto:

Eu disse que achava ótimo, desde que todos os deputados e servidores públicos fizessem. E aí fui acusado de não apoiá-lo. Era uma perseguição contra uma categoria.

Ele acusa o projeto de “querer protagonismo entre um grupo minoritário que ofende os professores”.

Campagnolo diz que aceitaria a ampliação da proposta, mas o governador parece ter usado a sugestão apenas para impugnar o projeto original, sem outros argumentos, acusando a deputada de não aceitar a sua sugestão.

“A única ‘contribuição’ do Executivo [de SC] foi assinalar oficialmente o seu parecer contrário; além de fingir não saber que o projeto de lei é específico aos professores porque a profissão do magistério tem legislação específica em nosso Estado, tentando, com esse papo, emplacar a narrativa esquerdista de que a obrigatoriedade do exame toxicológico representa uma ‘perseguição à classe profissional'”, diz Campagnolo.

A deputada salienta ainda que, este é um “argumento que só faria sentido se partíssemos de um pressuposto onde todos os professores, e não apenas uma parcela minoritária de inaptos, fossem usuários de drogas”.

Governador dissidente da direita aproxima-se cada vez mais da esquerda

Depois de perseguir deputados da base governista que se alinhavam a Bolsonaro, o governador dissidente da direita classificou de “extremismos” as posturas fieis à onda que o elegeu e faz frequentes críticas aos filhos do presidente. Um deles, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) disse textualmente o que pensa do governador: “Ele está se juntando ao PT, ao PSOL”.

Considerado traidor pela imensa maioria que votou por causa de Bolsonaro, Moisés já foi destaque da revista Carta Capital, que o elogia porque “contraria o agronegócio e se aproxima das minorias”. A matéria resume bem a trajetória do neófito da política: “não foram raras as fotos em que imitava uma arma com os dedos – e a agenda moralista de Jair Bolsonaro. Deu certo”.

Moisés brigou nas eleições para ser considerado o “candidato de Bolsonaro”, motivo que o fez saltar para o segundo turno e vencer as eleições mesmo sendo ilustre desconhecido na cena política catarinense. Em seu primeiro cargo político, o comandante dos bombeiros começou seu mandato renovando um acordo entre o estado catarinense e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, da Agenda 2030, projeto globalista de administração mundial da ONU. A denúncia da renovação do pacto, feita pelo Estudos Nacionais, teve reação do próprio governador, que pelo Twitter, classificou o site de “fake news”. Para comprovar a sua acusação, livrou-se das provas, mandando excluir a página que noticiava a assinatura do pacto, conforme cobrimos na ocasião.

18
Deixe um comentário

avatar
12 Comment threads
6 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
16 Comment authors
Decio WillJefferson C. H.Airton José dos SantosAdtoJosé Arawashi Recent comment authors
  Subscribe  
Notify of
Almanakut Brasil
Visitante
Almanakut Brasil

Em 1985, tivemos um professor que plantava pés de maconha de mais dois metros dentro da sua casa e tinha um enorme poster de Karl Marx na sala.

Se fosse hoje, tinha sido denunciado.

Esses paraquedistas que se infiltraram no partido pernambucano PSL nas eleições de 2018 são do mesmo tipo que o AI-5 de 1968 incluiu na assepsia.

Kfl
Visitante
Kfl

O governador mostra-se sensato. Esse conflito entre esquerda e direita. Lula e Bolsonaro é um atraso. Ambos são a face da mesma moeda. Precisamos de pessoas que sejam técnicas e não partidárias de radicalismos. O Governador vai bem, ao contrário do Presidente, pois não se mete em polêmicas que só atrapalham.

Gabriel
Visitante
Gabriel

Colocou Bolsonaro no mesmo saco do PT. Já começou mal, pois não tem nem comparação. Quanto a parte técnica, se você olhar os ministros do Bolsonaro verá que existe bastante técnica ali, com inúmeros especialistas. Ou seja, bem diferente de qualquer governo psdbista, petista, mdbista etc… você me entendeu. Quanto a parte da polarização. Se você não polarizar com quem fez tudo errado por esse país vai significar o que querido? É por isso que os outros não ganharam, pareceram mais do mesmo, porque o são. Esse papinho de centro não vai colar, desencana.

WAGNER CARDOSO DE MARIA
Visitante
WAGNER CARDOSO DE MARIA

Hum…. Interessante o projeto… Que tal fazermos o exame toxicológico dos Deputados, iniciando pela Deputada… E fazermos também o exame de corrupção dos Deputados e senadores e principalmente dos jornalistas e colunistas e da imprensa, com certeza, a imprensa e uma boa parte do povo catarinense e brasileira está intoxicada de tanta droga e ópio de bobagens e da corrupção… Quanto ao governador deixa o homem trabalhar, e Compagnolo e Jornalismo atrasado vao criar juízo e trocar titica de galinha que tem na cabeça por trabalho descente aos catarinenses…..

Airton José dos Santos
Visitante
Airton José dos Santos

Acho que este comentário de querer comparar Bolsonaro com Lula é um grande atraso de vida, veja o q Bolsonaro conseguiu fazer em 10 meses e q Lula e seu PT e aliados bolivarianos fizeram em 13 anos. Assaltaram o Brasil, tentaram tornar nossa Pátria numa Bolivia, Cuba, Venezuela. Os seus Ministros a maioria deles eram bandidos, assaltantes de bancos, e outros crimes mais q são conhecidos por todos.
A unica coisa q não eram era patriotas, o q agora Bolsonaro despertou este sentimento em mais de 50 milhões de brasileiros.
Deus salve o Brasil
Viva a Pátria

Luiz
Visitante
Luiz

Acho que tem sido um bom governador! Tem surpreendido com a sua boa capacidade de organização e administração. Muitas políticas que são tratadas como “papo de esquerda” aqui no Brasil, já foram implantadas em diferentes governos de direita no mundo. Acredito que as medidas do governo Moisés tem se aproximado mais se uma social democracia do que ao viés de esquerda. Além de ser um desperdício de dinheiro público, essa medida só faria sentido se fosse implantada à todos os deputados e funcionários públicos. O que está ocorrendo no Brasil é uma caça às bruxas com disseminação de ódio e… Read more »

José Arawashi
Visitante
José Arawashi

É um melancia de bosta, está sendo odiado pelo estado inteiro, decepcionou todas as categorias possíveis que votaram nele.É um autoritário pirracento e vingativo, e está cheio de assessores shillando nas mídias online, como podemos ver nos comentários. A Campagnolo se sair pro governo, ganha fácil. Moisés que vá procurar voto dos maconheirinhos da UFSC.

Adto
Visitante
Adto

Não vejo o governador Moisés como um futuro esquerdista.É preciso entender que na época ele era a única opção para acabar em parte com o poder do PMDB e o PSDB que estavam há décadas se revezando no poder do estado. Moisés aproveitou a onda Bolsonaro é se deu bem, e para SC não poderia ser tão bom. Os elogios a Moisés pelos esquerdas é fabricado e mal intencionado, eles costumam dividir, e a táctica é sempre a mesma, buscam forma de enfraquecer o governador,elogiando,assim divide a direita, ora no que tange aos professores ele tem razão , ou se… Read more »