Bolívia: unidades policiais marcham junto a manifestantes contra Morales

2
Pixabay
Anúncio:

Oficiais da polícia boliviana se juntaram aos protestos que pedem a renúncia de Evo Morales. O governo de Morales não consegue conter a indignação popular, que ganhou  apoio de unidades policiais após a empresa de auditoria informar irregularidades em 35 mil atas de apuração na eleições de 20 de outubro.

A Unidade Tática de Operações Policiais (Utop) da cidade central de Cochabamba, foi a primeira a anunciar o motim contra Evo Morales, sendo seguida por comandos da polícia de Sucre (sul, capital da Bolívia) e de Santa Cruz, uma das regiões mais ricas do país. Policiais também se uniram aos manifestantes em avenidas de La Paz, em marcha contra o governo no distrito de San Pedro.

Anúncio:

O presidente boliviano, Evo Moraes – que tenta seu 4º mandato consecutivo – manifestou-se neste sábado, classificando a situação de tentativa de golpe de Estado por parte da oposição:

“Irmãs e irmãos, nossa democracia está em risco pelo golpe de Estado que grupos violentos colocaram em marcha, atentando contra a ordem constitucional. Denunciamos à comunidade internacional esse atentado contra o Estado de Direito” declarou Morales, em sua conta no Twitter.

Um dos líderes da oposição da cidade oriental de Santa Cruz, Luis Fernando Camacho, respondeu a Morales dizendo:

“Não viemos derrubar um presidente, viemos liberar a Bolívia de sua ditadura.”

Segundo a agência Reuters, Camacho planeja liderar uma marcha ao palácio do governo na segunda-feira com uma simbólica carta de renúncia pré-escrita para ser assinada por Morales.