Há quase dez anos PT criou milícia para defender esquerda de críticas virtuais

2

Com o objetivo de dar resposta às críticas que se avolumavam nas redes sociais, em 2011 o Partido dos Trabalhadores anunciou a criação de uma “patrulha virtual” chamada de Militantes para Ambientes Virtuais (MAVs) para atuar nas redes, conforme matéria da Folha de S.Paulo da época. As atuais acusações de “milícia virtual” direcionadas à direita nas redes sociais fizeram com que a notícia já conhecida voltasse a ser compartilhada, ressaltando o pioneirismo da esquerda na organização de milícias.

a época, militantes virtuais deram entrevista dizendo: “Vamos espalhar núcleos de militantes virtuais por todo o país”, promete o petista Adolfo Pinheiro, 36, encarregado de apresentar um plano de ação amanhã ao então presidente da legenda, Rui Falcão. O treinamento foi baseado em repetição de palavras de ordem e uso de janelas de comentários de blogs e portais da grande mídia para contestar notícias negativas contra o PT.

“Temos que ir para cima”, disse Pinheiro à Folha na época.

A criação dos MAVs foi decidida no 4º congresso do partido, em setembro de 2011. O encontro foi marcado por ataques à imprensa e pela defesa da “regulamentação dos meios de comunicação”. O militante à frente do projeto atuou na campanha de Aloizio Mercadante ao governo paulista em 2010.

A milícia de esquerda que agia em favor de governos petistas tentou circular um ato contra a revista Veja após a publicação sobre o ex-ministro José Dirceu.

Já em 2012, o PT criou o primeiro Guia de Militância Virtual, feito pela Secretaria Nacional de Comunicação do PT.

Em 2013, pouco antes das manifestações do movimento Passe Livre, o PT ainda buscava fortalecer a militância virtual por meio de anúncios de recrutamento.

Já em 2019, a iniciativa ganhou um upgrade a partir da situação de prisão de Lula e da estratégia continental da esquerda. Em maio, ocorreu o primeiro Curso Lula Livre, para formação de militantes virtuais, com palestras de João Pedro Stédile, Gleisi Hoffmann, entre outros.

O objetivo foi a ampliação de comitês digitais por todo o país, para manter a mobilização estratégica de ação organizada. O curso foi dirigido a lideranças estaduais e municipais engajadas na campanha, das várias entidades, organizações e movimentos que compõem o Comitê Lula Livre.

O curso se baseou no conteúdo de um “caderno de apoio” que visa organizar campanha em todo o país desde o mês de abril.

Diz o site do PT:

O caderno foi discutido e aprovado no Encontro Nacional promovido em São Paulo. “O caderno Lula Livre é antes de tudo uma ferramenta militante: um instrumento para militantes organizarem comitês populares, com argumentos jurídicos e políticos para a defesa de Lula e propostas de ação na base para ampliar nossa força e influência social”, apresentou Renato Simões, responsável pela organização do material.

Há um mês, a jornalista Lúcia Sweet, do site Jornal da Cidade OnLine fez uma matéria expondo os métodos dos MAVs, desde seu início até o período das eleições de 2018. Frases prontas são criadas por grupos de marqueteiros e replicadas, com pequenas variações, por perfis falsos.

Acusar a direita de fazer “milícia” faz parte da estratégia

Toda a campanha Lula Livre, assim como a cartilha esquerdista em geral, sempre insiste na existência de uma “direita organizada”, dissuadindo qualquer ideia de espontaneidade popular ou vontade da sociedade. Para eles, a própria eleição de Bolsonaro foi uma obra de um tipo de máquina de propaganda. Esta ideia justifica toda a ação das esquerdas contra o que vê como direita.

A CPMI das Fake News, que nas redes vem sendo apelidada de “CPMI dos Memes”, tem como uma das linhas de atuação a premissa da existência de milícias virtuais organizadas, termo que a própria esquerda cunhou para explicar a vitória de Jair Bolsonaro e o surgimento de uma direita que até então parecia não existir.

Existência dos MAVs induzem crença em milícia de direita

As milícias criadas e mantidas oficialmente pelos governos petistas representam um precedente persuasivo para alegações de que a direita que elegeu Bolsonaro tenha utilizado o mesmo expediente. A ideia de uma estrutura organizada para disseminar ataques e defesas de políticos vem sendo associada à direita pelo fato do seu aparecimento parecer repentino.

Na verdade, o crescimento da direita nas redes sociais é reflexo de uma tomada de consciência que remete a antes de 2013, quando o filósofo Olavo de Carvalho começou a ser divulgado em livros e em seu programa de rádio online.

2
Deixe um comentário

avatar
2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
silvaJOSE SOUZA Recent comment authors
  Subscribe  
Notify of
JOSE SOUZA
Visitante
JOSE SOUZA

09/11/2019 às 10h01 ‘Não dê munição ao canalha’, diz Bolsonaro sobre Lula “Amantes da liberdade e do bem, somos a maioria. Não podemos cometer erros”, disse Bolsonaro. O presidente da República, Jair Bolsonaro, publicou um vídeo, na manhã deste sábado (9), onde pede para a população não dar “munição ao canalha, que está momentaneamente livre, mas carregado de culpa”. Sem citar o ex-presidente Lula da Silva (PT), que deixou a cadeia após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), Bolsonaro falou aos “amantes da liberdade e do bem”. “Iniciamos a poucos meses a nova fase de recuperação do Brasil e não… Read more »

silva
Visitante
silva

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk