Presidente da CPMI das Fake News gasta R$ 500 mil de verba pública com empresas de filho e ex-assessor

2
Divulgação/Facebook
Anúncio:

O senador Angelo Coronel (PSD-BA), presidente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News, foi acusado de gastar R$ 566 mil dos cofres  públicos, para custear empresas de comunicação pertencentes a seu filho e seu ex-assessor.

Leia também: Fundações internacionais e coletivos comandam CPMI das Fake News

Anúncio:

Os desvios ocorreram entre 2015 e 2018, quando o senador era deputado estadual na Bahia. O dinheiro era originário da cota parlamentar, segundo matéria da Folha de São Paulo.

Segundo o jornal, o gabinete de Angelo Coronel teria feito um pagamentos para a empresa BS2 Marketing e Publicidade, no valor de R$ 173 mil. O presidente do grupo detentor da empresa de marketing é um dos filhos de Angelo Coronel.

O senador também fez pagamentos de R$ 392 mil da verba de cota parlamentar para outra empresa do mesmo ramo, a XYZ Comunicação e Marketing. Segundo a Folha, a empresa pertence a Marcelo Cerqueira dos Santos, ex-assessor do parlamentar do PSD na Assembleia Legislativa da Bahia.

O senador Angelo Coronel declarou em nota que as empresas prestaram serviços para divulgar o seu mandado parlamentar, alegando que este tipo de serviço “deve ser confiado a pessoas de estrita confiança por ser estratégico para o mandato”.

Leia mais: Quem financia e quem define o que é “fake news” na CPMI